Muzambinho, 23 de maio de 2024

“A democracia do país não pode ser questionada da forma como vem sendo”, afirma Rodrigo Pacheco

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

O presidente do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco (Democratas-MG), afirmou, nesta quarta-feira (18), que a democracia brasileira não pode ser questionada sistematicamente e pregou o restabelecimento do diálogo entre os representantes dos Poderes para evitar o radicalismo. O presidente do Senado, que se encontrou com o ministro Luiz Fux, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), alertou que a corrosão das relações institucionais, levada ao extremo, pode causar danos irreparáveis ao Estado Democrático de Direito.

“Concordamos que o radicalismo e o extremismo são muito ruins para o Brasil e são capazes de derrotar a democracia. Portanto, nós precisamos evitar o radicalismo, evitar o extremismo e dar lugar ao diálogo que busca pacificar, que busque unir, não necessariamente concordar sempre, mas ter, sobretudo, esse respeito às divergências. Portanto, o ministro Luiz Fux se colocou muito propenso a essa ideia de restabelecer o diálogo, de novas reuniões serem marcadas, de discutirmos a consolidação da democracia e debatermos os temas que interessam a população brasileira”, ressaltou.

Segundo Rodrigo Pacheco, o intuito é que ocorra uma reunião entre todos os chefes de Poderes, incluindo o presidente da República, Jair Bolsonaro, e o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). Assim, o senador mineiro considera ser possível identificar as divergências e buscar soluções em um ambiente democrático. “Nós precisamos de uma pauta propositiva, e o ambiente para isso é a democracia. E a democracia não pode ser aviltada, não pode ser questionada da forma como vem sendo questionada no país. Portanto, uma conversa importante, necessária e que eu considero que possa ser o reinício de uma relação positiva entre os Poderes”, frisou.

 

(ASCOM)

Notícias Recentes