Muzambinho, 9 de maio de 2024

Ártico, Biden, Salles

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

“O Ártico é um ponto-chave do aquecimento global.”  (Jason Box, cientista)

 

Com o olhar fixo na martirizante pandemia, o mundo está deixando passar ao largo das preocupações mais prementes algumas situações com claros prenúncios de futuras calamidades. É o caso do aquecimento do polo norte, derivado do “efeito estufa” produzido pela insanidade humana, embora negado pelo talebanismo que grassa solto na praça. Cientistas renomados emitiram um alerta inquietante. O Ártico aqueceu três vezes mais rápido do que o planeta entre 1971 e 2019, uma elevação de temperatura mais acelerada do que se acreditava. Foi o que informou o Conselho do Ártico, em relatório recentemente vindo a lume. O Ártico é realmente um ponto-chave do aquecimento global, acentuou Jason Box, especialista em geleiras Dinamarques. Segundo ele, em menos de meio século, a temperatura média anual da calota subiu 3,1°C, contra 1°C da Terra. Esse estado de coisas gera impacto planetário com ocorrências dramáticas. A temperatura num trecho do Ártico acusou pouco tempo atrás 30°C, índice equivalente a clima tropical no verão. Um dos efeitos atemorizantes da mudança climática no Ártico, de acordo com os pesquisadores, é o derretimento das geleiras que contribui para a elevação do nível das águas oceânicas, com a catastrófica perspectiva de alcançar regiões densamente povoadas, nas faixas litorâneas em diferentes partes do mundo.

 

Uma outra informação relevante, relativa à Antártica e não ao Ártico, igualmente recente, é também indicativa das graves consequências do aquecimento global. Satélite do programa Europeu Copérnico constatou que o maior iceberg do mundo desprendeu-se de uma colossal plataforma de gelo. O iceberg em questão com quase 170 km de comprimento por 25 km de largura e uma superfície total de 4.320 quilômetros quadrados, está à deriva no mar de Weddell. Não é necessário nenhum conhecimento técnico para prever o que um incidente dessa natureza acarreta: o gelo se transforma em água elevando o nível do mar. Imaginem só o que não poderá acontecer com eventos desse gênero continuados.

 

● O presidente Joe Biden, dos Estados Unidos, criou força-tarefa, composta de eminentes cientistas, com a incumbência de averiguar as origens da praga da Covid-19. Instituiu o prazo de 90 dias para que um relatório conclusivo seja trazido ao conhecimento da opinião pública. Ao que está sendo divulgado pelos veículos de comunicação a pesquisa se orientará, num primeiro instante, por dois pressupostos volta e meia lançados como hipóteses capazes de decifrar a questão. O coronavírus resultaria de um relacionamento promíscuo entre humanos e animais. Na outra vertente seria consequência de uma experiência bacteriológica desastrada, provavelmente ocorrida num laboratório chinês. Oportuno anotar que, cientistas designados pela Organização Mundial de Saúde descartaram a segunda hipótese. Outra anotação pertinente: conjecturas assemelhadas foram formuladas também à época do surgimento da AIDS. Falava-se, igualmente, em manipulações científicas que escaparam ao controle nalgum laboratório americano ou europeu.

 

● Ao atirar-se com ardorosa disposição à labuta de “fazer passar a boiada”, o Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, complicou-se de tal modo que a esta altura, parece estar, fatalmente, com os dias contados no exercício da Pasta. As investigações da Polícia Federal, complementadas por decisões judiciais emanadas do STF, e as pesadas denúncias do Departamento de Estado dos EUA, acerca da mercantilização clandestina de madeira extraída de devastações florestais deixaram-no numa posição muito delicada. Sua saída do Ministério é vista com bons olhos por muitos setores, que em sua atuação, respaldada pelo presidente Jair Bolsonaro, identificam constantes demonstrações de desapreço à causa ambientalista, com reflexos negativos na imagem que se tem lá fora de nosso país.

 

Cesar Vanucci  – Jornalista ([email protected])

Notícias Recentes