Muzambinho, 23 de maio de 2024

Cafeicultores do Sul de Minas temem massa de ar frio que chega esta semana

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Com perdas já acumuladas desde a geada da semana passada, setor não está otimista com safra 2022/23

 

A notícia de que uma massa de ar frio pode provocar até neve em algumas regiões do país, entre elas o Sul de Minas Gerais, deixou cafeicultores mais preocupados do que já estavam. A massa de ar polar que deve chegar ao Brasil entre terça (27/7) e quarta-feira (28/7) deve trazer temperaturas abaixo de 0ºC em várias cidades do Sul, Sudeste e até Centro-Oeste.

Após a geada da semana passada, que destruiu plantações, agora há o temor de que a safra para o ano que vem seja comprometida de vez. Produções em pelo menos 300 municípios cafeeiros do Sul de Minas e Triângulo Mineiro já foram afetadas.
 
Ainda não há uma estimativa real, até porque a “super frente fria” ainda não chegou, mas as baixas temperaturas deste inverno já podem ter causado, segundo levantamento dos próprios cafeicultores, perda de 3,2 milhões de sacas de café – o que representaria uma quebra de aproximadamente 10% da quantidade produzida em 2020, por exemplo.
 
Segundo os meteorologistas, Minas não deverá ter neve, mas certamente terá novas geadas, especialmente no Sul, Triângulo e Alto Paranaíba.

Minas Gerais é o maior produtor de café do Brasil, com uma produção de que atingiu 34,6 milhões de sacas em 2020, representando 54% de toda a produção nacional.
 
Além disso, o café representa 39% das exportações do agronegócio do Estado, com US$ 2,24 bilhões de receita e 12,5 milhões de sacas embarcadas.

Estragos em cadeia
 
Fernando Barbosa, agricultor de São Pedro da União, município próximo à Guaxupé, ainda contabiliza o prejuízo que sofreu com o frio da semana passada – em 20 de julho, a temperatura chegou a 0ºC e houve geada.
 
A perda chega em torno de 30%. O plantio, que era novo, está comprometido para o ano que vem. Outros produtores chegaram a perder 80% da cultura.
 
“Temos que ver o impacto como um todo. Afinal de contas, o café não é um grão, mas sim uma cadeia produtiva: quando ocorre um problema, todos os participantes desta cadeia sofrem”, disse.
 
Por esta razão, Barbosa defende que todos os cafeicultores devem se unir e cobrar por uma facilitação maior aos auxílios para os produtores, e também que as ajudas das esferas estadual e federal cheguem de fato aos agricultores.
 
“Na sexta-feira passada (23/7), fizemos uma reunião em Alfenas para mostrar às autoridades, incluindo a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, qual foi o real impacto das geadas na nossa região”, afirmou.

 
Ana Valentini, secretária de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, a ministra, e técnicos da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-MG) sobrevoaram as áreas mais afetadas.
 
O governo estadual se comprometeu a fazer um levantamento em cada lavoura atingida.
 
“Vamos sentar com as cooperativas e com os bancos. O Ministério da Agricultura tem o Funcafé, que é um dinheiro da cafeicultura. Com essa perda avaliada, vamos ver como podemos ajudar os produtores, principalmente os pequenos, que são os que têm menos recursos para se reerguer”, afirmou a ministra.

 

(Fonte: Estado de Minas)

Notícias Recentes