Muzambinho, 9 de maio de 2024

Cafeicultura, uma atividade da agricultura familiar

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Destaque para a família Paula no sitio Três Barras, área rural de Muzambinho

A geada afetou parque cafeeiro no Sul de Minas, mas alguns cafeicultores contaram com a sorte. Para dona Geni, foi a proteção de Deus: “sei que este é um momento muito triste para muitos colegas, estamos trabalhando nesta safra e ouvindo os relatos, vemos na televisão, nas redes sociais, a situação está muito preocupante. Aqui sentimos frio, mas as lavouras não foram afetadas”, falou a cafeicultora e matriarca da família Paula, no sitio Três Barras, área rural de Muzambinho.
A colheita do café movimenta a economia rural e urbana. Mesmo em ano de safra baixa, o trabalho é intenso durante a época da safra. Nesta edição, vamos conhecer a rotina de uma propriedade familiar em Muzambinho. A entrada do sitio Três Barras da família Paula é uma alameda de árvores que transmite uma calmaria e bem diferente da rotina da lida com o café durante a colheita. A família é quem cuida das tarefas. Dona Geni fica no trator e é responsável pela secagem no terreiro e no secador.
Os dois filhos Vinicius e Tiago estão sendo criados para assumirem a sucessão da propriedade. Durante a safra ficam no trabalho da colheita e transporte das lavouras. “Aqui temos uma divisão das tarefas, cada um cuida de uma parte, eu cresci na lavoura, tenho gosto pelo serviço com o café,” diz Vinicius.
Já para Thiago, “as atividades no campo fazem parta da minha vida, somos uma família pequena que sempre trabalhou junto, tomamos decisões juntos, trabalhamos juntos, crescemos juntos isso nos dá força para os momentos de dificuldades”, disse.
Já seu Adilson de Paula, que cuida da qualidade e limpeza dos grãos. Na máquina dia e noite, ele mostra o resultado da lavouras. Cafés quebrados, palha melosa, palhas e café de qualidade que vai ser avaliado na xicara antes de ser vendido”, disse o sr. Adilson.
Para a família, os sonhos foram sendo construídos a cada colheita. O casal sempre trabalhou junto e ensina que família que trabalha unida permanece junta, revelou dona Geni. Ela também faz a administração dos custos e avalia que mesmo o preço da saca estando positivo já teve época que que a atividade foi mais lucrativa.

(COLABOROU: VALÉRIA VILELA)

Notícias Recentes