Muzambinho, 23 de maio de 2024

Caixas de supermercado temem contágio e pedem vacina contra a Covid-19

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Imunização da categoria seria estratégia importante para proteger também os clientes, destaca infectologista

Trabalhadores de setores essenciais convivem com o risco da contaminação pelo coronavírus e a incerteza sobre quando serão inseridos no Plano Nacional de Imunização (PNI). Categorias como a de caixas de supermercados têm contato direto com o público e só estão sendo vacinados pelo critério de idade, o que não abrange todos os casos. 

Segundo a Associação Mineira de Supermercados (Amis), o Estado tem 212.747 funcionários no setor. O Sindicato dos Comerciários de Belo Horizonte e Região (SEC), que empregados do comércio em 16 cidades da região metropolitana, entende que a classe está entre os grupos de alto risco de contágio e, por isso, cobra das autoridades o acesso à imunização. 

“Desde o início da pandemia, o supermercado se reafirmou como setor de primeira necessidade, virou uma categoria de prioridade e não fechou em momento algum. Somos a favor da inclusão da categoria nos grupos de prioridade, mas entendemos que a política vem de cima”, diz o diretor do SEC, Eliezer Batista Coelho.

O Ministério da Saúde informou, em nota, que o PNI está em constante atualização, mas a campanha prioriza grupos com maior risco de internação por complicação da doença e de óbito.

A Prefeitura de Belo Horizonte e o governo de Minas Gerais seguem as orientações do PNI. 

Angústia.

A caixa de um supermercado no bairro Itapoã, Maria Aparecida Nascimento, 56, foi infectada pelo coronavírus antes de receber a primeira dose da vacina. “Eu tive Covid e agravou porque eu sou de risco, porque eu tenho asma e pressão alta. Passei muito mal, o pessoal lá de casa sofreu muito comigo. Sou prova viva disso. Agora, depois que vacinei, estou com menos medo”, diz. 

O medo acompanha Maria desde o caminho para o trabalho. “A gente não sabe se eu peguei no serviço ou vindo dentro do ônibus, que está sempre lotado. No caixa a gente tem aquela proteção, mas às vezes as pessoas tossem em cima de você”, conta. 

Já Clara Lorrane, 21, é caixa em um supermercado no bairro São Luiz, na região da Pampulha e deve receber a primeira dose só em outubro deste ano, de acordo com o calendário do governo do Estado. 

“Enfrentamos riscos elevados de contaminação. Sempre mantendo os cuidados, higiênizando as mãos e o ambiente, mas não me sinto totalmente segura. Espero que a vacina chegue logo para todos”, diz Clara

Riscos.

Infectologista dos hospitais Eduardo de Menezes e Felício Rocho, Natália Albuquerque explica que a imunização desses trabalhadores teria impacto importante no combate à pandemia.

“A vacinação de trabalhadores essenciais que interagem com o público é uma estratégia muito importante no combate a doença, considerando que irá proteger os trabalhadores e, de maneira indireta, também o público que tem contato com esses trabalhadores”, diz a especialista.

Além da vacinação, os cuidados com a higiêne devem seguir sendo adotados para reduzir os riscos no ambiente de trabalho.

“Os cuidados já conhecidos e divulgados têm muita importância para os trabalhadores essenciais. Uso de máscara eficaz cobrindo nariz e boca, proteção dos olhos, higienização das mãos e evitar contato das mãos com a face. Se possível, deve-se também manter uma distância segura de outras pessoas”, destaca. 

(Por RÔMULO ALMEIDA- O Tempo)

Notícias Recentes