Muzambinho, 17 de junho de 2024

Campus Muzambinho assina Termo de Cooperação Técnica em prol do Café Mineiro

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Campus Muzambinho assina Termo de Cooperação Técnica para o Registro do Sistema de Produção Cafeeira em Minas Gerais

Na tarde da terça-feira, 11 de outubro de 2023, o IFSULDEMINAS – Campus Muzambinho assinou o Termo de Cooperação Técnica com o Governo de Minas para o Registro do Sistema de Produção Cafeeira em Minas Gerais. O Diretor-Geral, professor Renato Aparecido de Souza, esteve no Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte, e firmou o termo com o Governo de Minas por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult-MG) e Instituto Estadual do Patrimônio e Histórico de Minas Gerais (Iepha-MG).

O evento contou com a participação do Secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira; da presidente do Iepha-MG, Marília Palhares Machado; do Prefeito Municipal de Muzambinho, Paulo Sérgio de Magalhães; do Secretário Municipal de Esporte, Cultura, Lazer e Turismo, Wilson Dias Lima; do Orientador do Grupo de Estudos em Cafeicultura – GECAF, o professor José Marcos Angélico de Mendonça.

De acordo com o Diretor-Geral, o momento é um marco para a Instituição. “Participar deste projeto junto ao Governo de Minas e Iepha evidencia os esforços do trabalho já consolidado na área de cafeicultura, a nossa capacidade técnica, valoriza a formação dos nossos estudantes e o Campus Muzambinho como um todo; Especialmente em função dos 70 anos de história de nossa fundação, tendo no estudo da cafeicultura um dos seus pilares. Somos a instituição de ensino com a maior área de cafeicultura em todo o Brasil”.

No início do IFSULDEMINAS – Campus Muzambinho, quando ainda era denominado “Escola Agrotécnica”, já havia atividades ligadas à cafeicultura. Ao longo dos anos, a Instituição seguiu com avanços na área e atualmente possui 14 hectares de lavouras de café.

De acordo com informações divulgadas pela Secult-MG e Iepha-MG, “o objetivo é promover o desenvolvimento de estudos técnicos que irão culminar na elaboração do dossiê necessário para o reconhecimento do Sistema de Produção Cafeeira em Minas Gerais como patrimônio cultural do estado”.

O Diretor-Geral espera que o Registro do Sistema de Produção Cafeeira em Minas Gerais amplie ainda mais a formação dos estudantes, pois o território mineiro é bastante extenso e será necessário atuar com diversos parceiros. “Os nossos estudantes estarão participando direta ou indiretamente de todo o processo de construção do projeto, e a ação permite a integração do Campus Muzambinho com uma centena de parceiros, uma vez que o projeto precisa ser construído a várias mãos”.

O Setor de Cafeicultura do Campus atua com viveiro de mudas, lavouras em fase de produção, infraestrutura para processamento pós-colheita, secagem, armazenamento, beneficiamento, rebeneficiamento e industrialização do café, e este contexto proporciona aos estudantes a participação em diversas ações ligadas ao ensino, pesquisa e extensão.

O Setor ainda realiza diversos eventos, e conta com a participação do Grupo de Estudos em Cafeicultura – GECAF, que auxilia nas atividades internas, bem como a SOMA Jr, empresa júnior que ampara os trabalhos junto à comunidade externa. Atualmente, o Campus oferta o Curso Superior de Tecnologia em Cafeicultura, nota 05 no MEC, e o Curso Técnico Subsequente em Cafeicultura EaD.

O professor José Marcos Angélico de Mendonça, que atua com a cafeicultura do Campus, aponta que a participação da Instituição em um processo de reconhecimento da Produção Cafeeira em Minas Gerais tem um significado muito profundo e de muita responsabilidade. “Nós participaremos de uma situação de averiguação e elaboração de um inventário sociocultural ou cultural da Cafeicultura no estado de Minas, que é o maior produtor de café do Brasil e do mundo. […] E o que é mais importante, como um instrumento ou como uma oportunidade de reconhecimento das características da cafeicultura em vários aspectos, com a intenção de colaborar com a melhoria da qualidade de vida dos produtores e de todas as pessoas envolvidas com o agronegócio do café”.

A Cafeteria Escola do IFSULDEMINAS – Campus Muzambinho também participou do evento e serviu o café produzido neste campus. Os convidados puderam experimentar os grãos especiais preparados em vários métodos. O professor José Marcos, orientador do projeto, aponta que os envolvidos estão radiantes de ver o trabalho de toda uma equipe em participar de um evento grandioso que trata sobre o café. “Nós temos um trabalho regional com a cafeicultura, e essa vinda hoje do Campus e da Cafeteria Escola com os estudantes é uma situação singular. Estamos auxiliando ou iremos auxiliar na construção de uma política a nível estadual para cultura do café, segunda bebida mais consumida no mundo; Só perde para a água”.

Os estudantes que participaram do evento e atuaram na Cafeteria Escola fazem parte Cursos de Tecnologia em Cafeicultura, Igor Nepomuceno Silvério e Engenharia Agronômica, Carlos Antônio Garcia, o egresso do Curso de Tecnologia em Cafeicultura, Jaciel Antônio de Magalhães Batista, também esteve presente. Para os alunos que atuam no Setor de Cafeicultura, o momento é de extrema importância, pois comprova o zelo que têm na realização do trabalho e apresenta para a comunidade o que é desenvolvido no Campus. Para Jaciel, o momento é único, pois o Palácio da Liberdade é um espaço histórico e teve a oportunidade de compartilhar o conhecimento adquirido ao longo de sua formação no Instituto, em especial no Laboratório de Café com o professor José Marcos. 

O próximo passo é a elaboração dos estudos que será realizada por estudantes e professores do IFSULDEMINAS – Campus Muzambinho, a equipe técnica do Iepha-MG, e com apoio de diversos parceiros. O Diretor-Geral, professor Renato, aponta que ao final do projeto “espera-se que o café seja considerado patrimônio histórico do estado de Minas Gerais. Isso certamente agrega ainda mais valor a esse importante produto, não somente para o estado de Minas, mas para o Brasil e para o mundo”.

Fotos: Geovane Arantes
Texto: ASCOM – Campus Muzambinho

Notícias Recentes