Muzambinho, 22 de maio de 2024

Cemig: acordo bilionário intriga CPI; ‘povo pagando a conta’, diz deputado

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 Por trato rescindido, empresa de call center cobra R$ 13,5 milhões da energética; após quebra, multinacional foi chamada por R$ 1,1 bi

O contrato de R$ 1,1 bilhão entre a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) e a IBM, multinacional de tecnologia, chama a atenção de parte dos integrantes da Assembleia Legislativa.
A empresa foi acionada para implantar serviço de atendimento aos clientes – no pacote, está o call center, responsável por ligações feitas por usuários da energética. Meses antes da chegada da IBM, no entanto, a Audac, que atua com call center, havia vencido licitação para controlar a assistência via telefone.

O resultado do pregão acabou descartado. Nesta quinta-feira (9/9), parlamentares que compõem a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Cemig ouviram José Roberto Roque, presidente da Audac, que diz ter esperado, por meses a fio, sinal da estatal para começar a operar. O imbróglio gerou cobrança de R$ 13,5 milhões à companhia energética. A companhia contesta judicialmente os valores.

A Audac bateu a AeC no certame, ocorrido em fevereiro de 2020, oferecendo proposta menor em cerca de R$ 500. A vencedora da licitação, então, passou a trabalhar para colocar em prática os serviços de atendimentos pensados para auxiliar a energética.

O trato tinha custo total de R$ 88,4 milhões. No segundo mês deste ano, a Cemig informou a Audac que tinha a intenção de rescindir o contrato fruto do pregão. Depois, a IBM foi chamada a cifras bilionárias e sublocou a função de controlar o call center, justamente, à Aec, derrotada no pregão.

Os caminhos percorridos para a contratação da IBM, cujo trato foi oficializado sem concorrência, despertam dúvidas nos deputados.

“Ela (a Cemig) está pagando mais caro e o povo está pagando a conta. Por isso, no âmbito da administração pública, existe a licitação: para que uma companhia como a Cemig possa contratar um serviço de qualidade por um preço melhor”, disse Professor Cleiton (PSB), vice-presidente e sub-relator da CPI.

José Roque, da Audac, foi quem informou aos deputados que a empresa cobra R$ 13,5 milhões da Cemig pelo distrato unilateral. “Quando recebemos a carta de rescisão, foi com a maior perplexidade e estranheza, não entendendo, efetivamente, o que estava acontecendo”, lembrou.

Segundo ele, a partir de meados de julho do ano passado, a Audac tentou, sem sucesso, questionar a Cemig sobre as novas etapas para implantar o serviço de atendimento. Foram feitas, inclusive, notificações oficiais cobrando respostas.

“Ficamos aguardando e tentando contatos telefônicos para saber qual o próximo passo”, contou.Em ‘banho-maria’
A Audac alega não ter sido consultada pela IBM para assumir o call center após o novo contrato costurado pela Cemig. Para o presidente da CPI, Cássio Soares (PSD), a companhia que venceu a licitação foi “cozinhada”.

“A empresa do senhor foi cozinhada. O senhor foi levado no banho-maria até eles acharem uma alternativa, um mecanismo, para dar uma solução para a continuidade da prestação do serviço da AeC”, lamentou.

Integrante da base aliada ao governador Romeu Zema (Novo), Zé Reis (Podemos) argumentou que o contrato com a Audac só passaria a valer após a emissão da ordem de serviço para início das operações.

“Pelo que está escrito no contrato, a partir da emissão da ordem de serviço é que a contratada passa a ter, de fato, a sua plenitude. Assim, o contrato não vigora antes da autorização de início do serviço”, pontuou o parlamentar, em tese refutada por José Roque.O que dizem os envolvidos
Procurada, a Cemig recorreu à pandemia de COVID-19 para embasar a desistência do vínculo com a Audac. “Assim, a transição de fornecedor e treinamento presencial subsequente gerariam riscos a funcionários naquele momento”. (Leia a nota na íntegra ao fim desta reportagem).

A AeC, por sua vez, afirmou atuar há quase 30 anos, “tendo prestado serviços para centenas de empresas”.

“Todos os contratos e serviços prestados ao longo de mais de uma década para a Cemig foram pautados pela legalidade, idoneidade e pela absoluta transparência, gerando emprego e renda para o município de Belo Horizonte”.

“A empresa reafirma seu compromisso em colaborar com toda e qualquer apuração que demande sua participação e reitera que todas as suas relações institucionais e comerciais sempre se nortearam pela ética e pelo conjunto das melhores práticas de integridade e compliance”, lê-se em outro trecho da nota enviada pela AeC.A IBM foi contactada por e-mail. Não houve retorno até este momento. Se a resposta chegar à reportagem, o texto será atualizado.

Nota da Cemig sobre o depoimento de José Roque
O depoimento do Sr. José Roberto Romeu Roque, representante da empresa de call center Audac, reforçou os fatos expostos pela Cemig: não foi dada autorização para início do serviço já que no período previsto para isso, em março de 2020, houve o início da pandemia de COVID-19 e do isolamento social. Assim, a transição de fornecedor e treinamento presencial subsequente gerariam riscos a funcionários naquele momento.

A Cemig informa ainda que ingressou com ação de produção antecipada de provas para que a Audac comprove gastos eventualmente realizados pela empresa, em razão da expectativa de autorização do serviço. Essa ação busca a composição amigável e evitar o litígio judicial.

Posição da Cemig sobre o acordo com a IBM

O escopo é a integração de todos os canais de atendimento em uma única plataforma (omnichannel), com o uso de inteligência artificial e de todas as funcionalidades para um atendimento rápido e de fácil uso para o cliente. A parceria com a IBM foi precedida de ampla consulta ao mercado, com a realização de dois Procedimentos de Manifestação de Interesse (PMI) e a opção pela modalidade denominada oportunidade de negócio, com a seleção final validada por um comitê técnico composto por funcionários das principais áreas da companhia e com aprovação unânime da Diretoria Executiva e do Conselho de Administração. O custo com essa parceria é inferior ao custo somado dos 14 fornecedores que prestavam serviços de atendimento ao cliente na Cemig e cuidavam de diferentes canais (call center, Whatsapp, site, agências físicas, totens e etc). O Projeto Cliente %2b remunera por resolução no atendimento, não por tempo de atendimento. Essa é uma mudança que beneficia os clientes e reduz custos. O programa estará completamente implantado em breve.

A Cemig reafirma que essa parceria estratégica irá revolucionar o atendimento aos seus clientes, assim como a execução do maior programa de investimentos da história da companhia, no valor de R$ 22,5 bilhões de 2021 a 2025. A Cemig esclarece ainda que a IBM é referência mundial em tecnologia, inteligência artificial e soluções digitais. Sobre a licitação para a empresa de call center, não foi dada autorização para início do serviço já que no período previsto para isso, em março de 2020, houve o início da pandemia de Covid-19 e do isolamento social. Assim, a transição de fornecedor e treinamento presencial subsequente gerariam riscos a funcionários naquele momento. Posteriormente, a Cemig desistiu da contratação, já que decidiu implantar o Projeto Cliente %2b, unificando os atendimentos por meio da parceria com a IBM e fortalecendo seu ambiente digital, necessidade reforçada pela própria pandemia.

 

(Fonte: Guilherme Peixoto – Estado de Minas)

Notícias Recentes