Muzambinho, 22 de maio de 2024

CPI da CEMIG: Deputado faz acusações de escutas ilegais em seu telefone

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Assembleia fez varredura de eventuais escutas ilegais em gabinetes.
Ação é desdobramento de denúncia de grampos telefônicos para intimidar atuação de parlamentares da CPI da Cemig.

A Diretoria de Polícia Legislativa (Dpol) da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) se reuniu na terça-feira (10/8) com representantes das Polícias Militar e Civil para dar início aos procedimentos para varredura dos gabinetes dos membros efetivos e suplentes da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Cemig, com vistas à identificação de possíveis grampos telefônicos.
Em reunião da CPI no último dia 2 de agosto, o deputado Professor Cleiton (PSB), vice-presidente e primeiro signatário do requerimento que deu origem à comissão, acusou a empresa Kroll de tentar espioná-lo para intimidar sua atuação nas investigações.
Segundo o parlamentar, uma perícia teria confirmado que seu telefone celular foi grampeado. “Ficamos sabendo que os deputados dos blocos independente e os de oposição estão sendo investigados por essa empresa, bastante conhecida por grampear telefones. Assessores de gabinete também estão recebendo telefonemas anônimos”, denunciou.
A partir desses fatos, o presidente da Assembleia, deputado Agostinho Patrus (PV), solicitou apoio das equipes técnicas da PM e da Polícia Civil à Polícia Legislativa para a realização de varredura de escutas ambientais nos gabinetes dos parlamentares membros da CPI. Essa ação, no entanto, dependerá de autorização expressa de cada parlamentar, validada pelo presidente da Assembleia.
A CPI da Cemig foi criada para averiguar denúncias de ilegalidades na gestão da empresa, que teriam ocorrido desde 2019 e gerado prejuízos ao interesse público. A comissão tem poderes para investigar, analisar documentos, tomar depoimentos, colher provas, auditar contratos, operações financeiras e dados bancários de empresas e pessoas.

(ASCOM)

Notícias Recentes