Muzambinho, 12 de julho de 2024

CRO-DF defende vacinação de estudantes de Odontologia a partir do 6º semestre

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

O Conselho Regional de Odontologia do Distrito Federal (CRO-DF) defende, junto às autoridades competentes, a vacinação dos estudantes de Odontologia

A medida poderá ser aplicada aos acadêmicos do curso a partir do 6º semestre.  O Plano Nacional de Imunização contra a covid-19 (PNI), do Ministério da Saúde, inclui na vacinação do grupo prioritário também os acadêmicos em saúde e estudantes da área técnica em saúde em estágio Hospitalar, Atenção Básica e Clínicas. 

A orientação, inclusive, foi reforçada pelo Ministério da Saúde às coordenações estaduais de imunização em março. 

Ação do CRO-DF 

O presidente do CRO-DF, Marco Antônio dos Santos, destaca que, a partir do momento que o governo federal anunciou que os estudantes de odontologia poderiam ser vacinados, foi encaminhado ofício para a Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) solicitando a inclusão deles no grupo prioritário. 

“Os estudantes de Odontologia realizam estágio, em entidades públicas ou hospitais militares, prestando serviço essencial. Além de levar saúde bucal e dignidade em regiões carentes do DF, é também um importante aliado no combate à pandemia, à medida que contribui para o desafogamento dos serviços públicos nas unidades de saúde”, defendeu. 

Marco Antônio dos Santos ressalta que a Odontologia está entre as profissões mais insalubres e perigosas quando se analisa a chance de contaminação pela Covid-19. 

“O vírus se propaga, principalmente, através de gotículas de saliva, além das características próprias do processo de trabalho e dos instrumentos manejados pelos profissionais e estudantes da área”, lembrou. 

Risco de contaminação 

O risco de contaminação se dá porque não existe a possibilidade de distanciamento social durante o atendimento odontológico. Também não é possível o uso de máscara pelo paciente, o que explica o maior risco de contaminação dos cirurgiões-dentistas e acadêmicos, entre todos os profissionais de saúde, independente do uso adequado dos equipamentos de proteção individual (EPIs). 

Além disso, os diversos procedimentos odontológicos produzem aerossóis e gotículas (alta rotação, seringa tríplice, ultrassom, entre outros) que podem estar contaminadas com vírus.   

“A vacinação dos futuros dentistas se faz necessária para garantir um atendimento de excelência à população, para manter o ensino odontológico de qualidade em todo o Distrito Federal, especialmente, com a preservação da saúde dos envolvidos.” 

ASCOM / CRO-DF 

Notícias Recentes