Muzambinho, 11 de abril de 2024

Deputado Luizinho aponta solução para resolver problema de detentas presas em presídio masculino

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

121 mulheres estão detidas no Presídio de Alfenas, dessas 65 dividem a mesma cela.

O deputado estadual Luiz Antônio da Silva (PT), o Luizinho, apresentou uma proposta de conversão do Centro Socioeducativo em uma unidade prisional feminina, no município de Alfenas. O projeto foi discutido em audiência pública, na Comissão de Prevenção e Combate ao Uso de Crack e Outras Drogas, da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), na terça-feira, 27. A reunião contou com a presença do assessor especial do Ministério de Direitos Humanos e Cidadania, Nilmário Miranda, representando o governo federal.

Na ocasião, Luizinho apresentou dados alarmantes em relação ao Presídio Masculino de Alfenas. Segundo o parlamentar, na penitenciária, com estrutura de 194 vagas, estão 511 detentos, sendo 390 do sexo masculino e 121 do sexo feminino. Devido a superlotação, 65 mulheres dividem um pequeno espaço em uma das celas femininas, precisando de revezamento para conseguirem dormir nas seis camas disponíveis no local.

“É uma tragédia humana. Não tem como a gente tolerar! Não estamos aqui para denunciar, estamos aqui para resolver. Por isso, fui até Brasília e o governo federal concordou com a utilização desse prédio para tirarmos essas mulheres dessa condição desumana. Agora, depende do governo estadual. É preciso prender, mas também é preciso que a penitenciária seja um período de penitência, refletir sobre a vida e sair de lá um novo ser humano, porque se não a gente fica enxugando gelo”, declarou o parlamentar.

Contudo, o deputado explicou que o uso do prédio do Centro Socioeducativo não compromete a ressocialização dos jovens do município. Segundo Luizinho, atualmente, as unidades socioeducativas estão com uma ociosidade de 40%. Nesse sentido, a tendência é que continue ocorrendo uma redução da demanda, já que o Judiciário tem priorizado outras sanções aos adolescentes e evitado o uso da internação.

Para Nilmário Miranda, é uma “vergonha” que este tipo de coisa aconteça. O assessor concordou com a urgência do problema e declarou apoio à proposta apresentada por Luizinho. “Essa é uma situação intolerável. Achei muito positivo o trabalho do deputado”, afirmou Miranda.

 

(ASCOM)

Notícias Recentes