Muzambinho, 24 de julho de 2024

Em encontro com governadores, Rodrigo Pacheco afirma que a “democracia é inegociável”

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Após encontro com governadores na residência oficial do Senado, nesta quinta-feira (2), o presidente do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco (Democratas-MG), afirmou que a democracia do país “não pode ser negociada”. O senador mineiro ainda ressaltou a importância da manutenção do diálogo entre os Poderes, as instituições e os entes federativos para que os esforços sejam concentrados em prol da preservação do Estado Democrático de Direito para um ambiente propício ao desenvolvimento social e econômico.

“Essa manifestação dos governadores sem fulanizar, sem especificar, sem agredir, mas preservando sempre esse conceito importante da nação, que é a preservação do Estado Democrático de Direito, é muito bem recebida pelo Congresso Nacional. É muito importante que todos nós estejamos unidos, respeitando as divergências na busca de consenso, mas com um aspecto que, para todos nós, é inegociável, a democracia. Não se negocia a democracia. A democracia é uma realidade, o Estado de Direito é uma realidade e a sociedade já assimilou esses conceitos e esses valores nacionais. E estaremos todos unidos neste propósito de preservação da democracia no nosso país”, destacou Pacheco.

Participaram da reunião com o presidente do Senado, os governadores do Espírito Santo, Renato Casagrande, do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, de Minas Gerais, Romeu Zema, do Pará, Helder Barbalho, e do Piauí, Wellington Dias. “O diálogo é fundamental e é pilar da democracia. Não é possível interromper o diálogo com nenhum dos Poderes e instituições. E não é possível não ouvir os governadores. É fundamental que nós, do Congresso Nacional, estejamos abertos para esse diálogo permanente, que constrói, que busca convergências e que respeita as divergências. É um exercício democrático que, no final das contas, busca preservar o interesse maior que nos une aqui, que é o do povo brasileiro”, afirmou Rodrigo Pacheco.

 

(ASCOM)

Notícias Recentes