Muzambinho, 11 de abril de 2024

Garoto de 9 anos acusa primo por estupro em Muzambinho

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

A Polícia Militar de Muzambinho foi chamada no hospital daquela cidade por uma médica plantonista.

No local, a profissional informou que a mãe de um garoto de 9 anos disse que o filho havia sido estuprado por seu primo, de 19 anos, no fim de semana.

Em depoimento aos policiais, a mãe contou que no sábado foi até a casa de uma prima e ao ir embora, por volta das 22h, o filho insistiu para dormir por lá. Ela não queria deixar mas o primo afirmou que levaria o garoto embora na manhã seguinte.

No domingo de tarde, a mãe foi buscar o garoto e ao chegar em casa, ele reclamou de dores no ân4s, mas ela não deu muita atenção.

Na segunda-feira, após retornar da escola, o garoto novamente reclamou das dores e foi aí que contou o que havia acontecido na casa dos familiares.

O garoto acabou confessando pra mãe que na madrugada, enquanto dormia na mesma cama que o primo, ele lhe pegou à força e o despiu, o estuprando e cometendo outros abusos. O menor disse ainda que tentou gritar pedindo socorro, mas teve a boca tapada. E em seguida eles dormiram. Na manhã do domingo, o primo novamente cometeu o estupro. Durante a conversa com o filho, a mãe notou suas partes íntimas feridas e procurou o hospital.

A polícia foi até a casa do acusado onde ele negou os fatos dizendo se tratar de uma mentira,  que seu quarto fica ao lado do quarto da mãe e que se tivesse acontecido alguma coisa ela teria ouvido. Disse ainda que o menor havia lhe contado que teve relações sexuais com outro garoto, sem saber o dia.

A mãe do acusado o defendeu afirmando também se tratar de uma mentira e que havia levantado várias vezes de madrugada e ido ao quarto, sem notar qualquer problema.

O estupro foi confirmado pela médica plantonista e como não houve flagrante, o rapaz de 19 anos não foi preso e deverá responder ao inquérito na Polícia Civil.

(CORREIO SUDOESTE)

Notícias Recentes