Muzambinho, 23 de maio de 2024

Inadimplência no crédito rural contratado por meio da Emater-MG fica abaixo de 2%

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Levantamento feito pela empresa envolve contratos de custeio no primeiro semestre deste ano, liberados pelo sistema Coban

No primeiro semestre de 2021, a inadimplência no crédito rural ficou abaixo de 2%, nas operações de custeio contratadas por meio da Emater de Minas Gerais, pelo sistema de Correspondente Agropecuário do Banco do Brasil (Coban).  A informação é do Coordenador Estadual da Emater-MG, José Henrique Barbosa. “Isso evidencia a importância de uma assistência técnica de qualidade, para que o produtor possa aplicar corretamente os insumos e ter sucesso na atividade dele”, avalia.

Pelo sistema de parceria com o Banco do Brasil, os produtores rurais podem solicitar o crédito rural diretamente nos escritórios da Emater-MG, que tem unidades em mais de 90% do Estado. Os técnicos da empresa, além de indicarem a linha de crédito adequada para cada caso, ainda elaboram os projetos necessários para a liberação do financiamento, e orientam sobre toda a documentação exigida. Assim, os produtores só precisam ir à agência bancária para assinar o contrato.

Para o coordenador de crédito rural da Emater-MG, o Plano Safra 2021/2022, que ampliou em 19% os recursos para o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), atende o aumento da demanda por crédito neste segmento. Neste próximo ano-safra, serão destinados R$ 39,34 bilhões para o financiamento pelo Pronaf. “O governo federal, vendo que a procura por crédito cresceu muito, e os recursos não estavam sendo suficientes, principalmente no Pronaf, fez esse aporte maior. Assim, os produtores podem ter mais tranquilidade e planejar melhor suas atividades”, afirma José Henrique Barbosa.

De acordo com o coordenador de Crédito Rural da Emater-MG, tradicionalmente, o Pronaf tem muita demanda por recursos para investimento, pois muitas vezes, os agricultores familiares ainda estão estruturando suas propriedades, fazendo melhorias no processo produtivo. E o bom momento do agronegócio, com remuneração atraente, tem estimulado mais investimentos. Apesar do aumento nas taxas de juros, que no Plano Safra 2021/2022 ficarão entre 3% e 4,5% para o Pronaf, não deve haver impacto significativo no custo dos produtores, pois as taxas ainda estão bem abaixo das praticadas para outras formas de crédito.

E a ampliação do valor da renda bruta para enquadramento no Pronaf, de R$ 415 mil para R$ 500 mil, deve aumentar o público atendido pelas linhas de crédito do programa.  “Isso permite que os produtores que estão nesta faixa agora tenham direito a contratar financiamento pelo Pronaf, com juros subsidiados. Mas, desde que se enquadrem nas demais exigências, que envolvem ocupação da mão de obra, o número de empregados, em relação ao de membros da família, e a área da propriedade, entre outras”, avalia o coordenador da Emater-MG.

José Henrique Barbosa ressalta que os técnicos da empresa em todo o Estado estão capacitados a fazer essa avaliação para os produtores, pois são constantemente instruídos sobre as normas de enquadramento ao Pronaf e as condições do programa.

O Plano Safra 2021/2022, anunciado pelo Ministério da Agricultura na última quarta-feira (23/6), estimula a sustentabilidade ambiental, pois abre a possibilidade de crédito para sistemas agroflorestais, construção de unidade de produção de bioinsumos e biofertilizantes. Outra novidade é o financiamento de atividades de turismo nas propriedades de agricultura familiar, além da construção de armazéns nas propriedades.

(Assessoria de Comunicação – Emater-MG
Jornalista responsável: Miriam Fernandes)

 

Notícias Recentes