Muzambinho, 8 de maio de 2024

Lago de Furnas, o ‘Mar de Minas’, dá lugar a pasto e lama com crise hídrica

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Em alguns pontos, água recuou até oito quilômetros numa imensidão de terra seca

ALFENAS E CARMO DO RIO CLARO – Onde antes havia peixes, pescadores, motos aquáticas, lanchas e água em abundância, hoje só há cavalos e vacas. A crise hídrica enfrentada nos reservatórios do país fez com que o lago de Furnas, considerado o “Mar de Minas”, se transformasse literalmente em pasto em alguns pontos.

Devido à escassez hídrica, a água recuou até oito quilômetros em algumas cidades banhadas pelo lago, o que fez com que píeres de pousadas e hotéis ficassem sem utilidade, num cenário que parece estar longe de terminar.

O volume útil de Furnas, que entidades e o setor turístico apontam que deveria ficar acima de 55% para não prejudicar as atividades econômicas, estava em 29,77% na terça-feira (29).

O nível atual da água é de 757,4 m acima do nível do mar, 4,6 m abaixo do mínimo desejado, de acordo com a Alago (Associação dos Municípios do Lago de Furnas) e o comitê da bacia hidrográfica do lago.

“A cada dia está pior a situação e, com a crise energética, tende a piorar ainda mais. São quase cinco metros abaixo do nível mínimo, o que é muito. A cota de 762 m é o aceitável para atender a maioria das atividades econômicas, além da produção de energia”, afirmou Fausto Costa, secretário-executivo da Alago e vice-presidente do comitê da bacia.

Segundo ele, a irrigação, tanto de grandes fazendas quanto de agricultores familiares, é um dos setores prejudicados, além de piscicultura, clubes náuticos, hotelaria e o setor de bares e restaurantes.

Estimativas de associações ligadas ao turismo e ao comércio apontam que o total de empresas atingidas com a seca de Furnas chega a 5.000, com 20 mil empregos a menos no setor, que já sofre prejuízo desde 2020 com a pandemia da Covid-19.

O problema na economia das cidades ocorre porque o lago vai do sul ao oeste de Minas Gerais, com localidades que ficam a mais de 100 quilômetros de distância da barragem. Isso faz com que ele atinja áreas planas e também montanhosas -daí o apelido de “Mar de Minas”.

Nas áreas planas, em cidades como Varginha, Fama, Alfenas, Areado, Carmo do Rio Claro, Cristais, Formiga e Campo do Meio, há prejuízos mais significativos.
Enquanto isso, a região mais próxima à barragem, que contempla locais como Capitólio –que se tornou nos últimos anos a principal cidade turística da região–, São José da Barra e São João Batista do Glória, entre outras cidades, não sofre tanto.
“Nelas, a água também baixa, mas não distancia, porque é uma área montanhosa. O lago vai baixando, mas não vai ficando tão longe de um empreendimento. Nos outros, como são planos, a profundidade não é tão grande”, disse Costa.
Em Fama, barcos estão parados nos barrancos e um trampolim com cerca de 5 m de altura, outrora utilizado para recreação, hoje só serve para mostrar o tanto que a água se afastou. O problema já existia em anos anteriores, mas se agravou neste ano, contam moradores.
“A gente tinha de disputar lugar no trampolim para mergulhar. Hoje é só tristeza”, disse o pedreiro José Francisco dos Santos.
No Porto Hotel Fazenda, em Alfenas, o cenário é desolador. Havia água no local até o verão, mas o avanço da crise hídrica fez com que ela fosse recuando a cada dia e, hoje, está oito quilômetros distante dos píeres.
“A água chegou, mas ficou um, dois meses, e foi embora. É uma coisa terrível”, afirmou o proprietário do hotel, Miguel Barbosa, que chegou a ter 76 funcionários em dois turnos quando havia água no local.Atualmente são 12, por priorizar a criação de animais, mas o número chegou a ser de apenas seis.
Apesar da pandemia da Covid-19, o empresário credita o cenário à seca do lago. “A pandemia para hotel fazenda está excelente, porque as pessoas procuram esse descanso, distância, local aberto. É o problema da água mesmo que atrapalha.”
O hotel fecha as contas no vermelho há um ano.
O governador de Minas, Romeu Zema (Novo), esteve no hotel há um mês e disse em vídeo que a situação é extremamente crítica em Furnas.
“Essa área já foi considerada, por décadas, o ‘Mar de Minas’. Hoje dá para ver claramente que se transformou num mar de lamas”, disse.
“Furnas, que deveria gerar milhares de empregos em atividades turísticas e em piscicultura, hoje não gera praticamente mais nada, um desastre econômico e também um desastre ambiental.”
A previsão de falta de chuvas pode prejudicar ainda mais a situação. Em maior ou menor grau, as cidades enfrentam fechamento de pousadas, restaurantes ainda mais vazios e empresas náuticas com as atividades paradas.
“Todas as atividades sofrem de alguma forma, mas na piscicultura, por exemplo, muitos já se adaptaram devido a outras secas e acabam sofrendo menos. A gente consegue também captar água para tratamento, mas pousadas, hotéis e esportes náuticos ficam muito prejudicados em todas as cidades”, disse o secretário de Cultura e Turismo e Desenvolvimento Econômico, Agricultura e Piscicultura de Carmo do Rio Claro, Thiago Ferreira Cândido.
As cidades defendem o tombamento do lago de Furnas -o que, se ocorrer, permitiria que a altura mínima do reservatório ficasse em 762 m acima do nível do mar. O governo Jair Bolsonaro (sem partido), porém, ingressou com ação no STF (Supremo Tribunal Federal) questionando a lei de Minas que definiu o reservatório como patrimônio estadual.
“Isso nos daria mais segurança. Para a gente resolve, mas para outras cidades talvez esse patamar não resolva completamente, seria preciso ainda mais”, disse Cândido.
Além de Furnas, Minas Gerais estabeleceu o tombamento do lago de Peixoto. Ambos ficam na bacia hidrográfica do Rio Grande. Bolsonaro alega que a decisão mineira ofende a competência da União para legislar sobre águas e energia.
Furnas teve a barragem concluída em 1963 e foi responsável por desenvolver o turismo e a economia de forma geral nas 34 cidades banhadas pelo lago. Os municípios recebem também royalties de forma proporcional à área alagada pela represa.
Para a associação dos municípios, o lago de Furnas poderia ser aliviado com a retenção de água, gerando mais energia em outras hidrelétricas do sistema, que é interligado.
“É só lembrarmos que 2016 foi um ano bom. Se houvesse planejamento para manter o lago cheio, hoje tinha como atender o uso múltiplo e, ao mesmo tempo, dar segurança energética”, afirmou Costa.
Apesar do cenário crítico, o nível do reservatório já esteve em situações piores, como em 1999, quando ficou com apenas 6,28%. Em fevereiro de 2015, alcançou 10,6% do total.

Por MARCELO TOLEDO (FOLHAPRESS)

Notícias Recentes