Muzambinho, 22 de maio de 2024

Lei que impede contratos de empresas condenadas por trabalho escravo com o Estado é sancionada

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Empresas condenadas por trabalho análogo à escravidão não poderão assinar contrato com o Governo de Minas. Isso é o que determina a Lei 23.839/2021, sancionada na quarta-feira (28/07/2021). A proposta foi idealizada por meio de um projeto de lei de autoria do deputado estadual Cristiano Silveira.

De acordo com lei, a empresa que tenha sócio majoritário condenado, em sentença definitiva, por trabalho análogo à escravidão não poderá fechar contratos com o Estado. A medida vale tanto para a prestação de serviços quanto para o fornecimento de materiais, insumos e equipamentos.

A restrição também se aplica às autarquias, fundações e empresas de administração indireta do Estado, como Copasa, Cemig, Fapemig, Uemg, entre outras.

“No ano passado, quase mil pessoas foram resgatadas do trabalho escravo no Brasil. Em Minas foram 351. É lamentável que isso ainda ocorra. Muitas dessas pessoas são exploradas em atividades da agricultura, da pecuária, do comércio, da construção civil e da indústria. São pessoas de origem humilde, que estão em busca de sobrevivência e acabam sendo vítimas de crime tão cruel”, explica o deputado Cristiano Silveira.

Segundo o parlamentar, a lei aprovada em Minas é uma forma de coibir a prática do trabalho escravo. “O Estado é responsável por boa parte das compras de materiais, alimentos, equipamentos, entre outros itens, além de contratar muitos serviços. A empresa que atua com mão de obra ilegal poderá perder um grande cliente, que é o Estado. Acredito então que muitos dos empresários não vão querer correr o risco”, finaliza.

*Contratos em andamento*
A lei não se aplica aos contratos vigentes, que estão em andamento. Porém, em caso de renovação ou prorrogação de contrato, se a empresa tiver condenação por trabalho escravo, o aditivo não poderá ser assinado.

(Ascom)

Notícias Recentes