Muzambinho, 12 de julho de 2024

Milton Neves nega aposentadoria da TV e do rádio ao participar do The Noite do SBT

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Referência no jornalismo, comunicador foi o entrevistado de Danilo Gentili no
programa do dia 27 de junho

O The Noite com Danilo Gentili do dia 27 de junho, recebeu uma das grandes referências do jornalismo. Um dos maiores comunicadores da história do rádio e da televisão brasileira, Milton Neves falou sobre sua carreira, que, segundo ele, ainda não terminou.
“Vou voltar, é claro. Tenho uma audiência represada enorme no rádio e na televisão, mas me auto afastei. Pedi demissão da Bandeirantes faltando uns 10 dias para acabar o meu contrato. Publiquei a carta, considerada a mais digna de um empregado perante o Johnny Saad. Abri mão de todo ou qualquer eventual direito”, relata.
Na televisão e no rádio, dentre tantos programas, Milton Neves ficou marcado pelo longo período em que comandou o “Terceiro Tempo”, tendo lançado, inclusive, vários ex-jogadores na TV, como Neto e Denílson: “Tudo cria minha”.
“Para mim, acendeu a luz, é comigo mesmo. Futebol, não teve, não tem e não vai ter apresentador como o Milton Neves no rádio. Eu gosto mais de rádio, nasci no rádio”, afirma o jornalista, que conta, com orgulho, a respeito do seu famoso quadro ‘Que Fim Levou’.
“Sou o Milton Neves vendedor de passados e uma das coisas que eu mais gosto é o ‘Que Fim Levou?’”, ressalta.
Além de relembrar episódios marcantes, os enterros de clubes no “Debate Bola” e o fato de ser conhecido pelo grande numero de merchans, Milton Neves também comentou da sua amizade com Mauro Beting e o encontro com Silvio Santos no salão de beleza do Jassa (foto ao lado).
“O Jassa disse: ‘Sabe quem está aí? O Silvio Santos’. Eu respondi: ‘Quero ver esse homem de perto’. Foi a primeira e única vez que eu o vi. Entrei, fiquei de pé olhando-o e ele disse: ‘Moço, você está triste, né?’. Olha o reflexo dele. Foi o auge da minha depressão pela perda da minha esposa… Não falei nada, fiquei com vergonha. Aí ele saiu da sala e o Jassa foi dar uns retoques no cabelo dele. De enxerido, fui com o pente e fiquei fingindo que estava penteando-o. Saiu em tudo quanto é lugar”, relembra.
“Os caras mais importantes da República Federativa do Brasil, para mim, são Pelé e Silvio Santos. Dois ícones”, finaliza.
(ASCOM)

Notícias Recentes