Muzambinho, 9 de maio de 2024

O flagelo da fome

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

“Um homem com fome não é um homem livre.” (Adlai Stevenson)

A erradicação da extrema pobreza e da fome é o primeiro de um conjunto de oito macro-objetivos, preconizados pela ONU a partir da identificação das mais relevantes demandas sociais destes nossos conturbados tempos modernos.

A “Campanha Mundial Contra a Fome”, promovida anualmente no mês de maio, tem por objetivo sensibilizar, em diferentes partes do mundo, pessoas de boa vontade para que se entreguem a reflexões acerca da dramaticidade do problema da fome e possam desenvolver, em sua esfera de atuação comunitária, diligências que concorram de algum modo para a almejada eliminação desse flagelo.

Conservo em meus arquivos um sugestivo texto sobre a dramática questão, elaborado por Maria Angela Girioli, personagem destacada em educação, segurança alimentar e nutricional, que atuou com brilhantismo, como gerente, na Secretaria Municipal de Abastecimento de Belo Horizonte. Dele extraio preciosas informações pertinentes ao candente tema da extrema pobreza e da fome. De acordo com a ONU, pobreza significa coisas diferentes para pessoas diferentes. Em outras palavras, pressupõe diferentes idéias sobre como é causada e como pode e deve ser enfrentada. A pobreza relacionada com a renda utiliza como parâmetro o que é chamado, pelos especialistas, de “linha de pobreza”. Um divisor que coloca do lado mais sofrido na escala mundial o contingente de seres humanos com renda inferior a dois reais por dia. Somam, nas estimativas oficiais, 1 bilhão e 200 milhões. Vinte por cento da população global.

Outras modalidades de pobreza não estão relacionadas com a renda. Vejamos quais são: não dispor o cidadão de serviços acessíveis em matéria de educação, saúde, saneamento básico; não ter acesso a infraestrutura decente no que concerne a transporte, eletricidade, por aí; não ter alcance a meios que possibilitem o desabrochar de seus talentos criativos e capacidade empreendedora; e, mesmo tendo acesso a tudo isso, sentir-se em insegurança por não poder utilizar adequadamente os sistemas legal e político e ser tolhido na disposição de influenciar o que acontece rotineiramente em sua vida.

A configuração da pobreza fica bem sintetizada nessas definições do Banco Mundial. Pobreza é fome. É falta de abrigo. É estar doente e não ter condições de ir ao médico. É não poder freqüentar escola e nem saber ler. É não ter emprego, temer o futuro e viver um dia de cada vez. É perder uma criança em consequência de doença causada por água poluída. É, também, falta de poder, falta de representação e de liberdade.

O trabalho elaborado por Maria Ângela Girioli menciona que os mais aterrorizantes bolsões de pobreza deste maltratado planeta azul estão localizados no Sul da Ásia e na África subsaariana. Nessas regiões, por conta dos conflitos étnicos, extremamente cruéis, do crescimento econômico nulo e da proliferação de doenças, aids por exemplo, milhões de criaturas acham-se mergulhadas no mais completo dos desesperos. As populações alvejadas pelas desigualdades sociais na forma mais brutal estão ameaçadas de fome crônica. Nas previsões científicas, a questão alimentar pode assumir proporções catastróficas no futuro, caso a humanidade não descubra meios de conter a ação predatória dos recursos naturais e de reduzir sensivelmente as desigualdades sociais e econômicas. As projeções demográficas estimam para a Terra, nesta década, mais de  8 bilhões de habitantes, 83 por cento deles vivendo nos países em desenvolvimento e subdesenvolvidos.

À luz desses dados, configura-se com nitidez, a conveniência de campanhas de esclarecimento que ajudem a causa da conscientização em torno do problema da fome. Mais do que um problema, um flagelo, que tem tudo a ver, fatalmente, com a própria sobrevivência da humanidade.

 Cesar Vanucci – Jornalista ([email protected])

 

Notícias Recentes