Muzambinho, 23 de maio de 2024

Pacheco recorre e Aneel deve barrar aumento de 10,56% na conta de luz

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 O presidente do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco (Democratas-MG), solicitou a representantes da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), na segunda-feira (24), que seja prorrogada, pelo segundo ano consecutivo, a decisão que proíbe a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) de reajustar o valor da conta de luz dos mineiros. O senador apresentou um recurso de reconsideração de preço à autarquia federal no sentido de que, em 2021, o reajuste na tarifa residencial no Estado seja zerado, evitando-se assim o aumento previsto de 10,56%.

O pleito foi apresentado por Pacheco aos diretores da agência Hélvio Neves Guerra, Sandoval de Araújo Feitosa Neto e Efrain Pereira da Cruz, durante encontro na residência oficial do Senado. Cruz é o relator do tema na Aneel e a expectativa é que, assim como no ano passado, ele se posicione de forma favorável ao recurso apresentado pelo senador mineiro. A diretoria da autarquia federal vai se reunir, nesta terça-feira (25), para deliberar sobre o assunto. Na reunião, o presidente do Senado vai fazer uma sustentação oral em defesa da manutenção do veto ao aumento na conta.

Pelo cronograma, a revisão anual da tarifa ocorre na próxima sexta-feira (28). Mas o senador mineiro tem trabalhado, desde o início do ano passado, para que os R$ 6 bilhões de créditos extraordinários que a Cemig possui com o governo federal sejam devolvidos aos mineiros em forma de desconto no valor da conta de luz. A quantia seria suficiente para um período de quatro anos sem nenhum reajuste nas tarifas de conta de luz, sendo que o primeiro período teve início no segundo semestre de 2020.

Na época, a empresa estatal havia anunciado que, para os primeiros doze meses, R$ 714 milhões seriam devolvidos por meio de descontos. Se o atual pedido de Pacheco for acatado, a quantia deste ano a ser abatida vai ser de R$ 1,573 bilhão. Para o presidente do Senado, a renovação do ato é importante, não somente por ser uma questão de justiça ao povo mineiro, mas também por estarmos num momento de pandemia da Covid-19. Ele ainda lembra que o valor precisa ser devolvido na íntegra para a população do estado.

“Não faz sentido aumentar em 10,56% a taxa de energia elétrica durante o período de crise sanitária. E isso ainda mais quando se tem um crédito bilionário a ser devolvido a quem tem direito, que é o povo de Minas Gerais. Isso faz toda diferença para o consumidor. Passamos por tempos difíceis e quem mais precisa não pode ser jamais esquecido. Continuaremos com o trabalho desse processo perante à Aneel, conversando com quem tem o poder de decisão, a fim de fazer com que a Cemig devolva integralmente os créditos que pertencem aos consumidores mineiros”, disse Pacheco.

*Entenda*

A ação da Cemig, reivindicando do governo federal o crédito de R$ 6 bilhões, já transitou em julgado na Justiça Federal, ou seja, sem possibilidade de recurso, e tem efeito retroativo a setembro de 2003. A decisão ocorreu em junho de 2019, quando a estatal conseguiu o direito de receber a quantia bilionária referente à restituição de valores pagos indevidamente, em ICMS, pelos consumidores entre os anos de 2008 e 2011.

(Ascom)

Notícias Recentes