Muzambinho, 12 de julho de 2024

Primeira Jornada Turística da largada para criação de um polo turístico regional

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

A primeira jornada turística de Muzambinho reuniu em três dias profissionais e empresas interessadas em empreender no setor. Para os organizadores, o objetivo é capacitação do empresário e identificação das atrações do município. “O objetivo e trazer a capacitação e também identificar as riquezas culturais existentes em Muzambinho, como a gastronomia de experiência, por exemplo”, explica Luiz Navarro, um dos idealizadores do evento.

Durante três dias foram realizados vários eventos
Aulão do Tropeiro: o restaurante Cesário’s virou uma sala de aula para os interessados em descobrirem os segredos do verdadeiro feijão tropeiro de Minas Gerais. “A ideia é despertar no turista os aromas e paladares da cozinha do município, temos uma riqueza imensa de experiências gastronômicas que podem ser exploradas”, explica Marcio Garcia que foi responsável pelo resgate cultural.

Passeio pelos monumentos: No segundo dia, os participantes conheceram os atrativos da área rural e foram a Festa do Doce na Barra Bonita. No período da tarde visitaram e conheceram os monumentos históricos da área urbana. A noite uma aula com o professor Fábio Pozati na Câmara Municipal que encerrou o segundo dia da jornada na feira noturna. “A praça sendo ocupada pelo povo e gerando renda para os empreendedores do município é uma iniciativa que agrega muito, culinária sempre é um agregador, Minas recebe na cozinha”, enfatizou o professor.

Café: No terceiro dia, a jornada foi para conhecer como a cafeicultura está se organizando para receber os turistas. Para Alfredo Eduardo Gonçalves, “a rota dos cafés especiais e o ônibus cafeteria tem sido uma atração que os visitantes tem aprovado. Ainda estamos com um ano de investimento, mas as belezas naturais das lavouras mineiras agregam ao negócio”, explica. Para Tania Rodrigues, o produtor rural investe para receber o turista e isso tem custo, não é ir passear na roça e ter a consciência que esse passeio tem custo e investimentos. “Se vamos a rota do vinho em Andradas pagamos, se vamos em outras atrações nos municípios vizinhos pagamos, então está na hora de também reconhecer os investimentos feitos pelos cafeicultores de Muzambinho que gosta de receber turistas mas querem ser remunerados para isso”, explica Rodrigues.
“O poder público apoia e é parceiro em iniciativas como esta, precisamos caminhar juntos. Por isso capacitar é o primeiro passo para poder receber bem. Os empresários querem investir e estão descobrindo que o turismo é uma fonte de renda e emprego no nosso município”, relata Wilson Lima, secretário de turismo.
(COLABOROU: VALÉRIA VILELA)

Notícias Recentes