Muzambinho, 9 de maio de 2024

Risco de trombose é muito menor após a vacina que com a Covid, afirma estudo

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Pesquisa comparou os dados médicos de 29 milhões de pessoas que receberam a primeira dose das vacinas Pfizer ou Astrazeneca

O risco de desenvolver trombose coágulos sanguíneos é muito menor depois de tomar a vacina contra a covid-19 que ao contrair a doença, afirma o maior estudo desenvolvido até o momento sobre os efeitos colaterais relacionados com a vacinação.
O estudo britânico, publicado no British Medical Journal (BMJ), comparou os dados médicos de 29 milhões de pessoas que receberam a primeira dose das vacinas Pfizer-BioNtech ou Oxford-AstraZeneca entre dezembro de 2020 e abril de 2021 com as informações de quase dois milhões de pessoas que testaram positivo para o novo coronavírus.
A preocupação com a trombose freou o uso da vacina AstraZeneca, mas o estudo descobriu que, embora exista um “risco maior” de desenvolvê-las após a vacina, este é “muito menor que o associado à infecção por SARS-CoV-2”.
O risco de desenvolver uma trombose venosa é quase 200 vezes maior com a covid-19 (12.614 casos adicionais entre 10 milhões de pessoas) que com a AstraZeneca (66 casos adicionais).
Quanto à trombose arterial, não foi registrado um excesso de casos para nenhuma das duas vacinas, mas foram contabilizados 5.000 casos adicionais entre 10 milhões de pessoas infectadas com a covid-19.
Desta maneira, as pessoas com o vírus têm 11 vezes mais probabilidades de sofrer um derrame (1.699 casos adicionais a cada 10 milhões de pessoas) que as vacinadas com a Pfizer (143 casos adicionais).
“A imensa maioria dos pacientes está perfeitamente bem com estas vacinas”, declarou à BBC a cientista que coordenou o estudo, Julia Hippisley-Cox, antes de afirmar que os “raríssimos casos” de coágulos sanguíneos devem ser “colocados em contexto”.
A professora de Epidemiologia de Oxford também destacou que o aumento do risco de desenvolver coágulos sanguíneos se concentra em períodos mais “específicos e curtos” com as vacinas (“de 15 a 21 dias depois da administração” com a Pfizer para o AVC, “de 8 a 14 dias para a trombocitopenia com a AstraZeneca”) que após o contágio de covid-19, quando o risco se prolonga “por mais de 28 dias após o contágio”.
O estudo foi divulgado depois que muitos países – incluindo o Reino Unido – decidiram reservar a vacina da AstraZeneca para a população mais velha, devido ao temor de trombose.
O Serviço de Saúde Pública inglês calcula que as vacinas salvaram mais de 100.000 vidas no Reino Unido, onde a pandemia provocou 132.000 mortes.
(Por AFP)

Notícias Recentes