Muzambinho, 22 de maio de 2024

Ritual macabro seria motivação para assassinato de crianças em Minas

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Duas crianças, de 4 e 10 anos, teriam sido assassinadas brutalmente em Contagem e Divinópolis por razão de uma prática ritualística. Essa foi a conclusão que a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) chegou após a prisão da mãe e do padrasto das vítimas, de 31 e 25 anos respectivamente. A menina de 10 anos, dias antes de ser assassinada, ainda teria sido abusada sexualmente pelo padrasto. 

Após o assassinato da criança, no bairro Perobas, em Contagem, Região Metropolitana de Belo Horizonte, o casal escondeu o corpo da vítima enrolado em uma capa de colchão debaixo da cama.

Com o encontro do cadáver, na última terça-feira (24/8), a equipe da Delegacia Especializada de Investigações de Homicídios Contagem da PCMG deu início às investigações. A análise das lesões provocadas no corpo da vítima sugeriam prática ritualística.

O padrasto foi preso em flagrante pela ocultação de cadáver, no bairro Taquaril, e, em seguida, a mãe foi localizada na Santa Casa de Belo Horizonte, onde também recebeu voz de prisão.

 

Confissão

Durante interrogatório, ambos confessaram o homicídio e repassaram detalhes do crime, adiantando que a criança não teria sido a primeira vítima do casal. A mãe relatou ter sofrido aborto do filho do suspeito em fevereiro deste ano. O homem, então, supostamente orientado por “entidades sobrenaturais” da religião dele, atribuiu o aborto à presença da filha mais nova da investigada, uma menina de 4 anos.

Ambos planejaram, assim, um suposto sacrifício ritualístico da filha mais nova da mulher, que foi executada em uma casa em Divinópolis, região Centro-Oeste de Minas, e o corpo, em seguida, escondido no bairro Taquaril, em Contagem. A irmã de 10 anos, inclusive, teria presenciado as agressões que culminaram com a morte da criança. Após o assassinato da garota de 4 anos, o casal, acompanhado da menina de 10 anos, foi passar férias no litoral da Bahia.

 

Tortura

A Polícia Civil estima que o assassinato contra a criança de 10 anos teria sido cometido no final de semana anterior ao encontro do corpo. O padrasto, que alegou estar sob influência de “entidades”, agrediu a menina com chineladas, socos, facadas e golpes com um pedaço de madeira, além de queimar o corpo da criança com cigarro. Toda a tortura foi presenciada por pela mãe.

“Após as agressões, o casal ainda jantou no interior da residência com a criança viva e agonizando, deitada num colchão no chão sendo que na madrugada seguinte a criança veio a óbito, sendo enrolada numa capa de colchão e colocada debaixo da cama do casal”, detalhou o delegado Anderson Resende. “O casal deixou o local do crime às pressas levando apenas a roupa do corpo por temerem sofrer algum tipo de represália por parte dos traficantes locais”, completou.

O delegado adiantou que o homem pretendia fugir para a Bahia e a mulher, se esconderia no bairro Taquaril. Planejavam, ainda, tentar imputar a culpa dos crimes no ex-marido e pai das vítimas.

 

(ASCOM – PCMG)

Notícias Recentes