Muzambinho, 22 de maio de 2024

Rodrigo Pacheco arquiva pedido de impeachment contra o ministro Alexandre de Moraes

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

O presidente do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco (Democratas-MG), anunciou, na quarta-feira (25), ter arquivado o pedido de impeachment contra o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, que havia sido apresentado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), por reconhecer a falta de elementos técnicos e jurídicos que se adequassem à chamada Lei do Impeachment (1.079), prevista na Constituição Federal. A iniciativa de Pacheco se deu tendo como base parecer da Advocacia do Senado Federal, que analisou o documento apresentado pelo Executivo, na  sexta-feira (20).
“Essa manifestação da Advocacia do Senado é acolhida pela presidência e por mim, não só porque é muito bem fundamentada, mas porque concordo, como presidente, com os termos ali expostos sobre os aspectos técnico e jurídico. O Estado Democrático de Direito exige a obediência a esse princípio da legalidade, de que só se instaure um processo dessa natureza quando se haja realmente e efetivamente justa causa e um fato que possa se adequar a 1079. Não é esse o caso desse pedido de impeachment, de modo que, como presidente do Senado, determinei por falta de justa causa e de tipicidade a rejeição da denúncia e o arquivamento do processo de impeachment”, afirmou.
O presidente do Senado também disse que a análise do pedido considerou aspectos fundamentais ao Estado de Direito e à democracia, de separação entre os Poderes, garantia da independência de cada uma das instituições e a busca por uma convivência harmoniosa. “E quero crer que essa decisão possa constituir um marco de restabelecimento das relações entre os Poderes, da pacificação e da união nacional que tanto nós reclamamos e pedimos porque é fundamental para o bem-estar da população brasileira. Portanto, além do lado técnico e jurídico, que eu estou adstrito, e devo ser obediente porque cumpro a Constituição e cumpro a lei, há também um lado político de uma oportunidade dada para que possamos restabelecer as boas relações entre os Poderes”, ressaltou.

 

(ASCOM)

Notícias Recentes