Muzambinho, 9 de maio de 2024

Rodrigo Pacheco atua para evitar corte de 26,72% no orçamento da UFMG

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

O presidente do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco (Democratas-MG), afirmou, na quarta-feira (26), que vai atuar junto ao governo federal e ao Ministério da Educação (MEC) para reverter a previsão de cortes nos orçamentos das universidades federais mineiras, após reunião com a reitora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Sandra Goulart Almeida, em Brasília. Segundo ela, a instituição será a que mais vai sofrer no país com a redução dos repasses financeiros, chegando ao percentual de 26,72%, equivalentes a mais de R$ 50 milhões.

A esse veto, soma-se o bloqueio linear no MEC de 13,8%, totalizando cortes de 36,5%, que chegam ao valor R$ 76 milhões. A sessão no Congresso que definirá cortes no Orçamento deve acontecer na próxima semana. Conforme a professora, a diminuição no fluxo de caixa comprometeria não só a prestação de serviços, mas também o andamento de projetos vitais, como os estudos sobre a Spintec, vacina 100% nacional contra a Covid-19, que está sendo desenvolvida na universidade.

Ainda de acordo com a reitora, em Minas Gerais, outras dez universidades federais e uma unidade do Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet) também estão na lista de cortes orçamentários, estimados entre 18% e 20%. Diante desse cenário, Rodrigo Pacheco adiantou que vai buscar interlocução junto ao Executivo e ao Ministério da Educação para restabelecer os valores apropriados dos repasses e não permitir que pesquisas essenciais para o país sejam interrompidas.

“As universidades mineiras não podem ser prejudicadas com os cortes no Orçamento. Não vamos deixar que isso aconteça. Vamos trabalhar para corrigirmos essa distorção. O desenvolvimento da vacina contra a Covid-19 pela UFMG é um passo muito importante, já que somente a imunização da população brasileira vai proporcionar condições mínimas para frear a proliferação do novo coronavírus no Brasil. Além disso, há centenas de pesquisas e projetos em andamentos nas instituições do estado, de diferentes áreas, que não podem ser comprometidas”, ressaltou o presidente do Senado.

Uma das principais demandas apresentada pela reitora Sandra Goulart Almeida foi o apoio financeiro para a construção da sede do Centro de Vacinas da UFMG, dentro da própria instituição, o que vai permitir a produção de vacinas para o Brasil e para o exterior. Atualmente, o CT-Vacinas está instalado na sede do Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BH-TEC). Durante o encontro, Rodrigo Pacheco ressaltou que um caminho possível para o desenvolvimento de projetos, como o imunizante contra a Covid-19, seria uma parceria com a iniciativa privada. O senador mineiro se prontificou a buscar meios viáveis para atender ao pedido.

 

(ASCOM)

Notícias Recentes