Muzambinho, 10 de abril de 2024

Rodrigo Pacheco vai pautar projeto que cria ‘crime de rixa’ para punir torcedor violento

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

BRASÍLIA – O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), solicitou, na terça-feira (5), ao presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa, senador Davi Alcolumbre, a apreciação na comissão do projeto de lei (PL 469/2022) que cria o “crime de rixa” decorrente da ação de torcedores violentos.

Pacheco se comprometeu a dar celeridade do encaminhamento do projeto, de autoria do ex-senador e atual ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, que prevê quatro a oito anos de prisão. O presidente do Senado afirma ser urgente coibir os atos violentos em razão dos recentes episódios registrados, principalmente, em relação a jogos de futebol.

“Eu falei com o presidente Davi Alcolumbre, que é o presidente da CCJ no Senado, para que ele possa pautar esse projeto e que entreguemos à Câmara dos Deputados, também para apreciação, um projeto que visa coibir essa violência no esporte” afirmou.

De acordo com o senador, a matéria já foi aprovada na Comissão de Esportes. Rodrigo Pacheco reafirmou o compromisso do Senado no combate à violência “de qualquer tipo”. “Eu acho que é muito salutar a gente coibir isso. As pessoas irem ao campo para poder se divertir, e não para poder praticar violência e os crimes dos mais bárbaros, que afastam, inclusive, os torcedores do esporte”, ressaltou.

 

Projeto de lei

Atualmente, a Lei Geral do Esporte (14.597/2023) prevê prisão de um a dois anos para torcedores que cometerem atos violentos, além de multa. Já o PL 469/2022 aumenta a pena para dois a quatro anos de reclusão, com multa.

Ainda segundo a proposição, caso ocorra morte ou lesão corporal de natureza grave, a pena aumenta para quatro a oito anos de prisão. Além disso, a penalidade é aumentada de um a dois terços se as agressões forem contra agentes responsáveis pela segurança.

O projeto também determina que o juiz poderá definir que o indiciado ou acusado permaneça em casa, ou em local indicado pelo magistrado, em dias de competições esportivas durante a investigação policial, ou durante o processo judicial.

 

(ASCOM)

Notícias Recentes