Muzambinho, 11 de abril de 2024

Sandra e Cristina, profissionais da Emater levam conhecimento e incentivo às mulheres do campo

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

A regional da Emater de Guaxupé conta com a presença de mulheres no seu quadro de profissionais. As atividades no campo são inúmeras. A formação e grupos para o aprendizado de técnicas e informação tem sido alavancadas por profissionais que tem incentivado a agricultura familiar na região.
No escritório de Nova Resende, Cristina vem ao longo de mais de 20 anos se dedicando a organização de eventos e atividades para as produtoras rurais desenvolverem seus próprios negócios. “A agricultura familiar é a base da economia do nosso município, a força feminina está em todas as atividades, quando realizamos um dia de campo, uma palestra, um treinamento a participação das mulheres é que torna o evento um sucesso”, explica.
E com o incentivo da mulher que o marido, o filho , o pai, os irmãos vão nesses eventos, muitas vezes é a mulher quem decide se a propriedade vai receber um evento. “E o ok pode, sim, das mulheres que torna viável, muitas das nossas atividades, precisamos e contamos com elas”.
“Ao longo dos anos percebo como essa participação cresceu, temos lideranças que se sentem mais seguras em tomar decisões, pois começaram a ver outras mulheres assumirem posições que antes eram só dos homens no setor do agronegócio”.
A Emater exerce um papel importante nessa transformação. Os cursos e as palestras levam conhecimento ao campo, ajudam na gestão econômica da propriedade e alavanca os negócios. “Temos no município, três cooperativas e na hora da venda ou da compra do café a voz feminina começou a ser determinante. Percebemos que onde vai ser investido o lucro da safra agora é uma decisão compartilhada. É só andar pelos bairros rurais, fica nítido onde a família tem a participação nas decisões e onde o poder é centralizador. O crescimento econômico, social e ambiental só é possível com uma gestão democrática, onde homens e mulheres dialogam e decidem juntos os rumos das suas propriedades”.
Com uma experiência única, Cristina também é um exemplo e um testemunho para outras mulheres que precisaram assumir suas famílias. “A mulher tem um força tão grande e nessas horas lembro do Padre Jose Luiz que sempre falava que a vida toda há dentro de nós uma força incrível, somos imagem e semelhança de Deus, isso nos torna capazes desde a nossa geração. É preciso estar atento para não nos esquecermos . Minha intimidade com Deus me fortalece nos desafios diários” revela a profissional.
“A maternidade nos ensina a importância dos afetos na construção dos relacionamentos. Quando estamos conectados por sentimentos os negócios, as tomadas de decisões e os investimentos se somam a construção de laços mais fortes e duradouros. A responsabilidade sustentável é uma pratica antiga ensinada por Jesus Cristo, se eu sei partilhar com o outro eu também me responsabilizo pelo futuro das próximas gerações, ser sustentável e uma forma pratica de viver o evangelho”, finaliza a profissional.
Já Sandra Eugenia, que saiu de Nova Resende e percorreu os escritórios de Cabo Verde, Juruaia e Guaxupé conta “ por todos os municípios, o que me encanta nesse trabalho na Emater é ver como nós mulheres somos incentivadoras uma das outras, como nossas histórias são parecidas e como precisamos ter força para ressurgirmos das nossas próprias cinzas”, revela.
“Em cada visita, em cada palestra, em cada curso ou mobilização tenho testemunhos inúmeros de mulheres que mudaram sua realidade através de uma capacitação feita pela Emater. É muito mais que trabalho, é sobre relacionamento e valorização. Os concursos de café e queijo trouxeram para nossa região uma realidade que mostra como a liderança feminina precisava ser valorizada, reconhecida e incentivada. Ao longo dos meus quase 35 anos de Emater eu percebo como é na união que conseguimos vencer dificuldades concretas como a brutalidade, a intolerância e o abuso masculino, que ainda é uma realidade. Quantas vezes vi as lagrimas nos olhos das mulheres que ouviam nossas palestras e no final elas vinham dizer você falou exatamente sobre a situação que vivo na minha casa. Temos o papel social de ajudar essas lideres a fortalecerem a educação das suas filhas para as próximas gerações”. 

(Colaborou: Valeria Vilela)

Notícias Recentes