Muzambinho, 23 de maio de 2024

A eterna geada negra

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Enquanto escrevo, ouço lá fora o barulho da chuva que cai desde ontem, sem parar. É uma chuva fina e constante. Abençoada. Depois de uma longa e penosa estiagem, ela vem para diminuir a secura do ar, abaixar a poeira e molhar as plantas. Mas traz, junto com ela, a expectativa de um frio congelante. E o temor de que possa provocar uma geada como há muito tempo não se vê. Tomara que não, até porque muitos produtores ainda contabilizam os prejuízos da semana passada, quando a queda na temperatura queimou cafezais sem fim pelo sul de Minas. A diferença é que, semana passada, não teve chuva antes da geada. E essa combinação, chuva antes de uma queda brusca e intensa da temperatura, forma a chamada ‘tempestade perfeita’ para uma geada negra. Esse termo, que assusta os agricultores, surgiu em 1975, quando uma geada como nunca tinha sido vista varreu o Paraná e dizimou milhares de alqueires de cafezais, provocando a erradicação da cafeicultura em algumas regiões do estado. Ela tem esse nome, geada negra, porque congela a água da chuva acumulada no solo, no tronco e nas folhas dos pés de café. Em algumas condições pode congelar até a seiva da planta. Com isso o vento frio, e às vezes o próprio sol, se encarregam de queimar as folhas, os ramos, o caule e até a raiz da planta. A paisagem fica escura, como se tudo tivesse sido varrido por um fogo incontrolável. Essa geada de 1975 provocou mudanças profundas na economia e na própria história do Paraná. Na época, sem alternativas, milhares de trabalhadores e agricultores deixaram o estado e foram tentar a sorte em outras regiões menos afetadas pelo frio. Até então, o Paraná competia com Minas Gerais em relação à área plantada e produção de café mas, a partir daquele desastre, a agricultura no estado passou a ser dominada pelo trigo, soja e milho, culturas menos sensíveis às baixas temperaturas. Mas que empregam menos trabalhadores e são praticamente inviáveis para os pequenos produtores. Essa lembrança trágica serve como alerta para todos nós em relação às mudanças climáticas que afetam, cada vez mais, nosso dia a dia. Já tivemos verões quentes demais ou invernos rigorosos ao extremo. Temporadas com muitas chuvas ou estiagens prolongadas. Nada disso é novidade. A questão é que isso vem se repetindo cada vez com mais frequência e intensidade. Dia desses os termômetros marcaram 54 graus centígrados num vale da Califórnia, nos Estados Unidos. Isso nunca tinha sido registrado antes. Sem falar nas enchentes na Europa e nos incêndios na Austrália. Alguns desses desastres a gente vê, ano ou outro, na televisão e pensa: ‘problema deles’. Não, cara pálida, o problema é nosso. Ou você acha que aquele incêndio que devastou nosso Pantanal também foi obra do acaso? E que esse frio congelante e essas geadas negras são ‘coisas que acontecem desde sempre’? Alguém pode dizer: “você mesmo falou de uma geada negra de 1975. Então isso não é novo, ó arauto das geadas”. E eu vos direi no entanto: de fato, fenômenos climáticos acontecem desde sempre. Só que o próprio nome já diz: fenômeno! Ou seja, coisa rara, esporádica, que acontece de vez em quando e olhe lá. Mas estas situações estão se repetindo e se intensificando ano a ano. Na última década já foram registradas 5 geadas potencialmente prejudiciais para a agricultura no Brasil. E isso só acontecia uma vez a cada dez anos, como a geada negra de 75, por exemplo. A gente só se dá conta do desequilíbrio quando ele nos atinge diretamente, seja com uma estiagem prolongada ou com uma geada negra. Todos sabemos que a causa desse desequilíbrio é, basicamente, o desmatamento. Desde que os portugueses desembarcaram por aqui e se encantaram com o pau brasil que esta terra é desmatada sistematicamente. São mais de 500 anos cortando árvores, fazendo queimadas e derrubando florestas. E no momento em que a natureza se rebela, que o mundo pede providências, que as pessoas mais e mais se envolvem em torno da causa da preservação, alguém decide, aqui no Brasil, que é hora de passar a boiada. E nos coloca no paradoxo de sermos donos das maiores reservas de água doce do planeta; de termos os maiores rios e os maiores aquíferos e, de lambuja, termos ainda a maior floresta do mundo como patrimônio. E de termos, ao mesmo tempo, um ministro do meio ambiente investigado por tráfico internacional de madeira. Não é à toa que chegamos onde chegamos. Geadas piores virão. Afjnal, como bem diz o ditado, onde passa boi, passa boiada.
Por hoje é isso. Semana que vem tem mais. Até lá.

(Raul Dias Filho)
O autor é jornalista e repórter especial da Record TV
E-mail: [email protected]

Notícias Recentes