Muzambinho, 14 de agosto de 2022

 A Rosa de Hiroshima

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Foi no cruel mês de Agosto de 1945 que o governo americano mandou despejar uma bomba atômica sobre a cidade japonesa de Hiroshima. A bomba era de Urânio-235 e tinha uma potência estimada de 16 quilotons (1 quiloton = 1.000 toneladas de TNT); e explodiu a uma altura de 570 metros do chão provocando uma nuvem de fumaça que alcançou 18 quilômetros de altura. Isso resultou na morte de mais de 80.000 vítimas imediatas e um total de mais de 140.000 mortes em decorrência das queimaduras e dos ferimentos causados pela explosão e dos danos pela exposição à radiação. “America way and Life” (América Caminho e Vida): Nada mais que as duras patas do Imperialismo dos Estados Unidos sob o espectro da energia nuclear! A história está cheia de exemplos (esse é um deles) que contam como os regimes totalitários atrapalham o pensamento reduzindo o número e o significado das palavras. Não há possibilidade de sobrevivência humana sem que existam pessoas para contar (ou lembrar) o que acontece. A brutalidade do mal transmuta-se no mal da banalidade, disse a historiadora israelense Hanna Arendt. Em seu poema “A Rosa de Hiroshima”, Vinicius de Morae insiste: “Pense nas crianças, mudas telepáticas; Pense nas mulheres, rotas alteradas; Pense nas feridas, como rosas cálidas!” No poema, a bomba atômica é comparada com uma rosa, porque, quando explode, resulta na imagem de uma rosa a desabrochar. A rosa está relacionada com a beleza; no entanto, a Rosa de Hiroshima remete ao horror do desabrochar produzido. – O passado não é aquilo que passa; é o que fica do que passou!

 

Paulo Augusto de Podestá Botelho é Professor e Escritor.

Visite o Site https//paulobotelhoadm.com.br

Notícias Recentes

plugins premium WordPress