Muzambinho, 8 de maio de 2024
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

O que é o que é: é a vida tão somente, ela é bonita, é muito bonita para se viver. O que é meu irmão? O que é meu amigo? O que é meu par, meu parceiro? É a vida? Vamos lá, vivê-la com intensidade? A vida pode ser diferente para uns, mas mesmo assim, é parecida em muitos momentos alegres e tristes: se perdemos algo, “é a vida”. Mas, se ganhamos também “é a vida”. A vida é mágica, alegre ou triste, e todo mundo quer viver. A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios, mas por isso, mesmo  cante, chore, dance, corra, pule, grite, ria, brigue e viva sem reclamações, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos. Acho que deveríamos apressar em viver bem e pensarmos que cada dia é por si só, um novo dia, numa vida. Só nesta fase da minha vida, (pra lá dos 77), percebo que viver ultrapassa qualquer entendimento do que é a vida simplesmente e não dá para viver esperando a morte chegar. Hoje penso só em viver bem – é difícil – são muitos problemas, não só os meus, mas penso em ir vivendo cada dia o dia. E tem coisas que valem a pena pensar como o poeta Fernando Antônio Pessoa: Ás vezes ouço passar o vento; e só de ouvir o vento passar, vale ter nascido… Viva a vida, por enquanto momentaneamente do jeito que se apresenta, mas sempre com muita vontade de viver. Sei lá, eu estou aqui, estou vivo, tentando escrever sobre a vida. E o melhor sobre vida, é do ator e escritor (entre outras) Charles Spencer Chaplin: “A vida é maravilhosa se não se tem medo dela e viver sem ponto final”. E ponto final.    

Fernando de Miranda Jorge – Acadêmico Correspondente da APC / Jacuí/MG – e-mail: [email protected]

 

Notícias Recentes