Muzambinho, 12 de julho de 2024

Escrever para ouvir

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Escrever é mais que associar palavras e ideias. É fazer chegar ao leitor uma contribuição para o seu desenvolvimento intelectual. Para isso, é preciso que o escritor utilize-se de uma linguagem objetiva, interativa, econômica, simplificada e, se possível, com alguma musicalidade. Não é fácil. 
O poeta Mário Quintana escreveu: “Livros não mudam o mundo; quem muda o mundo são as pessoas. Os livros só mudam as pessoas”. – Nada mais correto e oportuno!
Lendo Georges Simenon, escritor belga, aprendi que livros bons são aqueles que os leitores ouvem.
Não me lembro bem o dia e o ano, mas foi em Agosto – o mais cruel dos meses. Naquele um tanto quanto distante Agosto, foi que a Editora Allprint editou o meu segundo livro “As Quatro Faces do Tetraedro”. – O tetraedro é um poliedro composto por quatro faces triangulares; três delas encontram-se em cada vértice. Os quatro segmentos dos temas de composição desse livro são como as quatro faces de um tetraedro. E as faces estão ligadas por uma unidade de linguagem, mas com relatos únicos de cada um dos textos que se convergem, isto é: Face 1 – A Compreensão das Palavras; Face 2 – A Busca por Resultados; Face 3 – O Essencial nas Flores; Face 4 – As Dimensões da Escuridão.
Apesar de ter obtido boas resenhas (generosas mesmo) como a do escritor e ambientalista Otonelson Eduardo Prado, o livro não decolou como eu esperava. Um tanto pretensioso, eu quis que “As Quatro Faces do Tetraedro” pudesse vender como pão quente. Resolvi, então, fazer doações para escolas básicas e faculdades. Todavia, dia desses, para minha surpresa, recebi um E-mail de um jovem de apenas 14 anos, acho que aluno do Senai. – Ele escreveu o seguinte: “A professora de Português sempre leva para a sala de aula os textos que o senhor escreve. Eu acho que eles são da hora”. – Nada mais estimulante. Acabei achando mesmo que esse livro é de ouvir.
– Bach, eterno compositor da divina música, que me perdoe!

Paulo Augusto de Podestá Botelho é Professor e Escritor.
E-mail: [email protected]     Site: https//paulobotelhoadm.com.br

Notícias Recentes