Muzambinho, 22 de maio de 2024
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

O que você acha de se mover e partir à realização de coisas fora do comum? O que te faz pular da cama todas as manhãs, mesmo com esse frio gostoso, ‘tem gente que aprecia’, e seguir em frente? Normalmente não paramos para pensar nisso, fazemos tudo automaticamente, cotidianamente. É. Muitas vezes as atividades do dia a dia são demais que nos esquecemos de parar para pensar a respeito do que nos move; qual é a sensação, o que nos mantém ativo para continuar lutando, trabalhando, lendo, estudando, pesquisando, navegando na Internet, amando, rindo e vivendo em paz com a família. O mundo está aí com sua freqüência exaltada, inquieto, agitado, muito intenso. Precisamos determinar nosso próprio ritmo, até o de não fazer nada é preciso. Não convém seguirmos o ritmo dos outros, teremos conflitos para realizarmos nossas ações diárias. Qual é o nosso, o seu ritmo? “Faça o que te move, mova o que te faz”. E, “seja leve, Esvazie o que te pesa, valorize o que te alegra, fale o que te afeta, sinta forte com o que te move, grite o que desgasta e incomoda, agradeça o que de bom acontece com você”. Sabe do por quê? Por que Nele vivemos, e nos movemos, e existimos… (Atos 17.28). E vamos nós: saber o que nos move e também saber o que nos trava. 

 

Fernando de Miranda Jorge

Acadêmico Correspondente da APC

Jacuí/MG – e-mail: [email protected]          

Notícias Recentes