Muzambinho, 22 de maio de 2024
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Nossa Vida é assim como uma viagem de trem: temos um assento numerado em um vagão determinado. Os trilhos definem a trajetória. Alguns aproveitam a viagem conversando amavelmente com todos, outros se contentam em olhar pela janela e apreciar raras belezas, outros ainda lêem como se estivessem em casa. Pode ser linda, se você olhar pela janela e curtir toda a paisagem que passa à nossa frente, e fica. Ou triste, se você enfiar a cabeça debaixo do banco e não contemplar em plenitude a viagem, gostosa de trem. Uma comparação interessante quando bem interpretada. Interessante porque nossa vida se assemelha a uma viagem de trem, ou seja: cheia de embarques e desembarques, de pequenos incidentes pelo caminho, de surpresas agradáveis com alguns embarques; e de tristezas, com outros desembarques. É assim. O desembarque acontece, não é possível continuar viajando além do nosso destino neste trem da vida.  A viagem dos vários “vagões” das diversas estações, de muitos passageiros embarcando e desembarcando, fato este que apesar de nos proporcionar agradáveis surpresas e aventuras e porque não, desventuras também. Tudo depende de nós, como bem disse o genial Papa Francisco: “O grande mistério para todos, é que não sabemos em qual estação desceremos. Por isso, devemos viver da melhor maneira: amar, perdoar, oferecer o melhor de nós”. Dizer sempre bom dia, boa tarde, boa noite e até logo mais, com alegria, tristeza e saudade. Ou como o advogado nacionalista, indiano Mahatma Gandhi : “Meu Deus… se me esquecer de Ti… Tu não Te esqueças de mim. E, dele ainda: Meu Deus… ajuda-me a dizer a palavra de verdade na cara dos fortes e a não mentir para obter o aplauso dos débeis”

 

Fernando de Miranda Jorge

Acadêmico Correspondente da APC

Jacuí/MG – e-mail: [email protected]  

Notícias Recentes