Muzambinho, 23 de maio de 2024

O uso incorreto da Pílula do Dia Seguinte pode causar danos à saúde da mulher

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

No Brasil, o uso indiscriminado de medicamentos e o hábito da automedicação são grandes problemas de saúde pública. No caso da pílula do dia seguinte o problema é ainda maior.
Uma pesquisa recente mostrou que as adolescentes estão abusando do uso desse medicamento. Este contraceptivo é para uso em situações de emergência, como situações em que o método contraceptivo de uso regular foi esquecido ( esquecimento de uma ou duas pílulas), rompimento de preservativo ou ainda situações de violência sexual. Não deve ser usada como forma corriqueira de contracepção, muitas vezes por pura irresponsabilidade!
A forma de ação da pílula de emergência depende do momento do ciclo que ela foi utilizada, se antes ou após a ovulação.
A taxa de falha do método, quando usado isolado como contraceptivo, é alta, cerca de 3,2%, se comparado à taxa de falha dos métodos contraceptivos de uso regular como as pílulas orais hormonais , injetáveis hormonais e os métodos de longa duração LARCS , ou seja, o Diu de Cobre e o SIU de progesterona, cujas falhas são estabelecidas pelo Índice de Pearl, variando entre 0,2 à 0,6 falhas em 100 mulheres durante 1 ano de uso correto do método contraceptivo regular.
A taxa de falha da Pílula de Emergência ainda aumenta com o tempo decorrido entre a relação sexual desprotegida e a tomada da medicação, sendo indicada a ingestão o mais breve possível da relação sexual, não ultrapassando 72 horas, onde a efetividade tende a cair mais. A pílula de emergência pode inclusive trazer muitos efeitos colaterais, como náuseas, vômito, e desregulação das menstruações.
Para vocês terem uma ideia e perceberem que não é brincadeira, ao tomar a pílula do dia seguinte o corpo recebe uma alta carga de hormônios, algo em torno de 6 a 20 vezes mais do que o contraceptivo comum e isso provoca muitos efeitos e maiores são os riscos para a saúde da mulher, inclusive, pela altíssima quantidade de hormônios.
Estão disponíveis no mercado dois principais tipos dessa pílula de uso emergencial: o primeiro são dois comprimidos, que precisam ser tomados com 12 horas de intervalo. O segundo é em uma única dose, este considerado mais efetivo e com menos efeitos colaterais.

E como funciona a pílula do dia seguinte?

Se a mulher ainda não ovulou, a pílula inibe ou retarda a ovulação. Se a ovulação já ocorreu, ela age alterando o transporte dos espermatozoides e do óvulo pela trompa, ainda modifica o muco cervical, tornando-o mais espesso e hostil, dificultando a ascensão e migração espermática e interfere na ativação dos espermatozoides.
Ressalto novamente a gravidade do uso indiscriminado e repetido desse contraceptivo e alerto também para o perigo das doenças sexualmente transmissíveis sem o uso de camisinha por exemplo e para o altíssimo risco de uma gravidez indesejada sem o uso de contraceptivos corretos.
Estamos falando de correr o risco de uma gestação não planejada, e de prejudicar seriamente a saúde da mulher e com vida e saúde não se brinca!

Ref. Bibliográfica: Manual de Anticoncepção. Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia/ FEBRASGO.

 

Dra. Amanda Santos Cerávolo (Ginecologia e Obstetrícia) 

Notícias Recentes