Muzambinho, 23 de maio de 2024

Sobre Adestramento

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Um tanto arrogante, aparência de uns 40 anos, vestia um terno grafite de corte em alfaiataria, moda sem-gravata. Ao estender a mão em resposta ao meu estender, mal apertou; e observei possuir uma mão delicada, macia, quase feminina. Principal dirigente daquela unidade hospitalar, havia agendado comigo uma conversa sobre palestras de treinamento direcionadas ao pessoal de enfermagem. – “Quero que toda a enfermagem seja adestrada!” – Disse com determinação.

Ao pedir permissão para entrevistar o pessoal, concordou a contragosto. No decorrer das entrevistas, constatei relatos de agressão por parte de acompanhantes dos pacientes. – Uma enfermeira relatou que atendeu uma mulher com dores abdominais. “O marido dela me deu um tapa no rosto porque não a atendi de imediato!” – Disse, segurando o choro. Demonstração de absurda intolerância, além de extrema covardia. – Homem que bate em uma mulher não é homem.

Situações como essa só contribuem para deslocar a atividade de atendimento para um problema de alto risco.

Enorme é a quantidade de palestras (ou cursos) de baixa qualidade a prescrever conteúdo pirotécnico e de efeito placebo ministrados por consultores picaretas.

Após dois dias de entrevistas, fui até a sala refrigerada daquele dirigente e disse que iria propor um outro enfoque ao invés de “palestras de adestramento”. – Entretanto, ele não concordou e encerrou o assunto. – Sequer me estendeu de novo aquela mão delicada ao despedir!

Cavalos podem ser adestrados porque só sentem; pessoas comprometidas com as outras não são adestráveis porque pensam e, sobretudo, porque sentem.

 

Paulo Augusto de Podestá Botelho é Professor e Escritor.

E-mail: [email protected]        Site: https//paulobotelhoadm.com.br

Notícias Recentes