Muzambinho, 8 de maio de 2024
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Um dia a gente se encontra. Um dia de cada vez. Um dia vamos ficar juntos para sempre. Um dia, tudo mudou. Tudo muda e porque o dia não pode mudar? Dia curto, dia longo, depende de seu estado de espírito. O que é já foi; e o que há de ser, também já. Então, um dia… Deus nos pede conta do que passou. E um dia, porque escrever sobre um dia? Não seria pouco? Porque não uma semana, um mês, um ano? Pois bem, vamos viver um dia e quem sabe a gente se vê por aí, mas deixa o acaso tomar conta, pois um dia tem quantas horas; quantos segundos; quantos minutos? Um dia tem vinte e quatro horas, mas quantas horas exatas? Um dia, apenas um dia, tem 86.400 segundos e 23 horas, 56 minutos e 4 segundos. Acho um dia completo, desde ao amanhecer até seu final, importantíssimo. De todos os tempos, o dia é o principal: num dia decidimos nossas pendências, nossas aspirações e tomadas de rumo. É ali na hora certa do dia, seja pela manhã, à tarde ou à noite ou ao seu final, a solução aparece. Particularmente, prefiro resolver as “coisas” pela manhã, cabeça fresca pura e limpa. Tudo pode ser resolvido em um único dia, se você repensar todas as ações em um dia e recorrer ao Eclesiastes 3, do Velho Testamento das Escrituras. Tudo tem o seu tempo determinado, e todo propósito debaixo do céu tem seu tempo, por que: ha tempo de nascer e tempo de morrer; tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou; tempo de derrubar e tempo de edificar; tempo de chorar e tempo de rir; tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar e tempo de afastar-se de abraçar… Mas, cá pra nós, tudo em ‘um só dia’? Depende de nós. 

Fernando de Miranda Jorge

Acadêmico Correspondente da APC

Jacuí/MG – e-mail: [email protected]        

 

 

Notícias Recentes