Muzambinho, 22 de maio de 2024

FAVELA DENTRO da favela II

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Um olhar triste, crítico e humano para o que acontece dentro das favelas. Eu simplesmente não conheço favela na sua integridade, a não ser via mídia e comentários em jornais e revistas. Mas dá para perceber diferentes ângulos de visão especiais na sua funcionalidade. Comunidade mantém bolsões de extrema pobreza, (para dentro). Vivem em barracos de madeira e sem banheiro. E pior, num amontoado de seres humanos. Como deve ser triste. Apesar de acharmos que vivendo próximos de belas paisagens e edificações, as coisas mudam. Qual nada! É triste mesmo. Mas as favelas crescem cada vez mais, como já dizia a música Pop Rock dos Titãs: “miséria é miséria em qualquer canto. Riquezas são diferentes: índio, mulato, preto, branco. Miséria é miséria todos sabem usar os dentes”. (Os de fora), aqueles moradores que saem e só voltam após praticarem todo tipo de agressão à sociedade, deitam e rolam nos bairros dos centros urbanos. Sabe-se que em determinadas comunidades, há cerca de mais de 10% dos moradores, em invasão, sem luz própria, usam as dos outros, água ou esgoto. Condições urbanas que, segundo Marcelo Ribeiro, do Observatório das Metrópoles do IPPUR – Instituto de Planejamento Urbano/UFRJ – em geral, reforçam a situação de miséria. É um ciclo vicioso. As más condições urbanas contribuem para a situação de miséria, e a miséria empurra as pessoas para lugares onde as condições urbanas são piores. E daí para frente, todo mundo já sabe. E sabemos ainda como é bom e agradável viver em cidade como Jacuí.

Fernando de Miranda Jorge

Acadêmico Correspondente da APC

Jacuí/MG –  e-mail: [email protected]

 

Notícias Recentes