Muzambinho, 22 de maio de 2024
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
IMPRIMIR
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Os antigos sonhos foram bons sonhos. Eles estão se realizando. Foi bom tê-los. “Sonho que se sonha só é só um sonho que se sonha só, mas sonho que se sonha junto é realidade”, disse em versos o poeta Fernando Pessoa, e repetiu em música, o profeta de toda uma geração, Raul Seixas. Voltemos, pois aos nossos tempos, à nossa Jacuí de hoje: se estes sonhos estão se realizando é porque muitos sonharam e sonharam juntos. Sonhar é uma coisa interminável, nunca termina… Com os sonhos as coisas mudam, e como mudou esta cidade! Para melhor, com mãos de nossa gente que pensa que ajuda a pensar de ontem e de hoje: professores, doutores, gente humilde e simples, mas que idealizam projetos e eles são colocados em prática. Muitos que sonharam sonhos bons, já não estão mais aqui, mas, é pensando neles que temos a exata noção do que vale a lembrança de gente que faz saudosa gente de mãos limpas e de boas intenções passado e presente. Neste contexto histórico, sob vários aspectos, vem à lembrança o Jornalista Dídimo Paiva: “estamos sufocados pela modernidade globalizada e parece que não ficará pedra sobre pedra”. Mas que, pra nós aqui de Jacuí foi bom sonhar venturosos sonhos, não foi? E eis que a professora Izabel Maria Salgado Batista faz presença com memórias: “Nasci como nasceram tantos arraiais: tenro, miúdo, tímido, mas com vontade de viver. De minhas entranhas levaram ouro e outros minerais. Em meu solo abriram sulcos, plantaram casas, esperanças e fartura. Em meus mananciais, peixes, garimpeiros e crianças encontravam refrigério. Meu clima favorecia a saúde dos aventureiros, que acabavam pôr me adotar como sua pátria. E eu os adotava reciprocamente. Era mais uma promessa no Sertão das Gerais. Imprimiram marcas de uma personalidade forte, resistente e única. Sofri cortes em meu corpo territorial, mas resisti heroicamente. No sobe e desce de minhas ladeiras há o registro das digitais de uma gente criativa, humilde, devota, hospitaleira. Vestiram-me de luzes, com a força das minhas águas do Rio São Pedro na Usina em que “senhor João Salgado” fazia a noite virar dia.

Fernando de Miranda Jorge

Acadêmico Correspondente da APC

Jacuí/MG – e-mail: [email protected]        

 

Notícias Recentes